O Governo de Reconciliação e Unidade Nacional lança nota à imprensa em que denuncia a ação do governo estadunidense contra a soberania da Nicarágua. Confira a nota na íntegra.

 

Logo após o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos da América (EUA) impor sanções econômicas a importantes integrantes do governo da Nicarágua, liderado pelo sandinista Daniel Ortega, o Governo de Reconciliação e Unidade Nacional denunciou a ação norte-americana com uma nota à imprensa. Os EUA atuam, há mais de um século, como se fossem os donos da América Latina, classificando de ditadura qualquer governo que nacionalista, que fortalece sua soberania nacional.

 

Nesta semana, adotou sanções econômicas contra a Nicarágua alegando que essas medidas são a resposta do imperialismo pela detenção de vários membros da oposição ao atual governo. Os membros da oposição são pessoas ligadas aos interesses estadunidenses, que estão no país para, justamente, impedir que ele seja soberano e dono de suas próprias riquezas. Os quatro aspirantes à presidência presos têm o mesmo perfil do Presidente da República do Brasil.

 

Com as medidas, os EUA está punindo a Camila Ortega Murillo, coordenadora da Comissão Econômica Criativa e filha de Daniel Ortega e da vice-presidenta Rosario Murillo. As sanções também incluem Leonardo Ovidio Reyes, presidente do Banco Central; o deputado Edwin Castro Rivera, leal operador político do regime na Assembleia Nacional; e Julio Rodríguez Balladares, general do Exército da Nicarágua.

 

O Departamento do Tesouro alegou que esses indivíduos apoiam “um regime que solapou a democracia, abusou dos direitos humanos, promulgou leis repressivas com graves consequências econômicas e tratou de silenciar os meios de comunicação independentes”. Importante lembrar que qualquer governo que defenda seus próprios interesses nacionais e soberanos é classificado pelos EUA de governos autoritários e anti-democráticos. Vale esclarecer que o único país anti-democrático existente no continente Americano é justamente os EUA. Basta ver o que eles estão fazendo na América do Sul, notadamente, no Brasil.


Nota à imprensa

 

O Governo Imperialista e Colonialista dos Estados Unidos da América do Norte acaba de se pronunciar, como tem sido e é seu estilo de ingerência e interferência nos Assuntos Internos de nossos Países, ditando Medidas Ilegais, Arbitrárias, Coercitivas e Unilaterais, contra os Cidadãos Nicaraguenses cujo único crime é representar, em alto, a Dignidade e o Heroísmo do nosso Povo.

 

O Governo de Reconciliação e Unidade Nacional protesta veementemente contra esta reiterada violação dos Instrumentos Internacionais que regem o Direito Soberano dos Estados, que não nos reconhecemos como Colônia de qualquer Potência, e que nós reivindicamos a Dignidade e o Decoro Nacional, em legítima defesa da nossa Autodeterminação, contra os Estados Unidos da América e qualquer outra Entidade Colonialista e Neocolonialista, que a esta altura da Vida, acredita ter o poder de subjugar e humilhar a nossa Independência.

 

No Ano do Bicentenário, e da Valente e Corajosa Memória da Resistência ao Yanqui em todas as suas ignóbeis apresentações, a Nicarágua, Bendita e Sempre Livre, mais uma vez posiciona seu lugar na História da Pátria e da Liberdade, desde a Inteligência Espiritual e a Coerência dos Maiores Nicaraguenses, Gênios e Patriotas, Rubén Darío e Augusto Sandino.

 

Esta nova violação da Soberania da Nicarágua, só confirma o que denunciamos sobre o vende-pátria e as pretensões e ações terroristas e usurpadoras, que desde a tentativa de Golpe de Estado em 2018 têm se acentuado. Afirmamos a nossa razão histórica, precisamente nestes dias, em que os principais Promotores e Atores deste golpe terrorista, patrocinado pelos Estados Unidos e outras Potências Imperiais, estão perante a Justiça, como exigiu o Povo da Nicarágua.

 

 

Managua, 9 de Junio, 2021
Gobierno de Reconciliación
y Unidad Nacional
República de Nicaragua