Publicidade

Governo da Nicarágua publica nota sobre a morte de Pedro Casaldáliga

  • em


NOTA SOBRE A PARTIDA PARA OUTRO PLANO DE VIDA DE MONSENHOR PEDRO CASALDALIGA

 

Espero que a causa da Paz e seus esforços continuem, apesar de tantas mentiras e manipulações. Deus e os pobres e a vontade mais digna do seu povo poderão fazer mais, Daniel.

 

De Monsenhor Pedro Casaldáliga, a Daniel

2 de outubro de 1985

 

 

Hoje 8 de agosto, soubemos da partida para a Casa do Pai, do nosso Querido Dom Pedro, Monsenhor Pedro Casaldáliga, Bispo dos Pobres daquela Amazônia que tanto amou.

 

Aqui tivemos o privilégio de conhecê-lo e recebê-lo, e foi ele que batizou nossos filhos e foi padrinho de um@ del@s. Não temos palavras para descrever a riqueza espiritual da Vida e Obra de Monsenhor Dom Pedro, em sua passagem por esta nossa Nicarágua, Cristã e Solidária.

 

Com Amor simples, com Coragem infinita, com Compromisso delicado e sustentado, Dom Pedro soube nos ensinar a viver caminhando com a Cruz de Cristo como Sinal Redentor, e como Compromisso de Vida doado ao Próximo, que exigiu e exige Justiça, Direitos, Respeito pela dignidade humana.

 

Dom Pedro Casaldáliga, é e será um Exemplo daquele Cristianismo de Amor e Paz que anima a nossa Existência e a renova quotidianamente em cada Ser Humano que o professa, a convicção e a determinação de servir com Amor.

 

Com Dom Pedro aprendemos a enfrentar e a transcender os desafios, sem perder a Alma Boa nem o verdadeiro sentido da Generosidade e Solidariedade que só é Justiça, por uma Humanidade que exige Convivência Fraternal, Respeitosa e exaltada pela Fé, para superar as diferenças, os conflitos, e procurar a Harmonia entre tod@s, e para o Bem de Tod@s.

 

A Dom Pedro Casaldáliga, Herói dos Humildes, humilde, sem outra pretensão que servir a Deus no Povo, lhe devemos seguir, caminhando nesse Legado de Comunidade Cristã, Fraterna e Vital. Com Amor e Esperança assumimos o Dever e a Responsabilidade de continuar nos dedicando a essa Missão Justa, Libertadora e de Plenitude Humana.

 

             

Daniel Ortega Saavedra                 Rosario Murillo

 

  • Compartilhe