Publicidade

Governadores assinam pacto nacional para salvar vidas

  • em


“Temos 30, 40 mil pessoas em todas as filas hospitalares por vaga de UTI”, afirma o governador do Piauí Wellington Dias, em alerta sobre colapso

 

Diante da total negligência do desgoverno Bolsonaro no combate à pandemia, os governadores tomaram para si a tarefa de salvar vidas e acelerar a imunização da população brasileira. Nesta quarta-feira (10), gestores de 24 estados e do Distrito Federal assinaram o Pacto Nacional em Defesa da Vida e da Saúde. O documento estabelece a criação de um comitê gestor, integrando Executivo, Congresso, Poder Judiciário, estados, municípios e especialistas reunidos em torno de uma comissão para sugerir ações e diretrizes para mitigar os efeitos da pandemia e ampliar a vacinação.

 

 

A iniciativa representa uma luz no fim do túnel da catástrofe que se abateu no país pela inexistência de gestão federal da crise. A carta reafirma a necessidade urgente de ampliação da vacinação, no marco legal do Plano Nacional de Imunização, com negociações internacionais junto aos laboratórios e diálogo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

 

Os governadores também defenderam o fortalecimento de medidas preventivas como o isolamento social e o uso de máscaras em caráter nacional. “Há limites objetivos à expansão de leitos hospitalares, tendo em vista escassez de insumos e de recursos humanos”, justificam os gestores.

 

 

“Dessa forma, as medidas preventivas protegem as famílias, salvam vidas e asseguram viabilidade aos sistemas hospitalares. Medidas como o uso de máscaras e desestímulo a aglomerações tem sido usadas com sucesso na imensa maioria dos países, de todos os continentes”, aponta o documento, que sustenta ainda a importância do apoio para a ampliação de leitos de UTI em estados e municípios.

 

 

Ainda nesta quinta-feira (11), os governadores participaram de uma audiência pública da Comissão Temporária Covid-19 no Senado para discutir o enfrentamento à pandemia. Na reunião, Wellington Dias, governador do Piauí e representante do Fórum dos Governadores do Nordeste, desmentiu o ministro da Saúde Eduardo Pazuello, que afirmou, na quarta-feira, que o sistema de saúde “não vai colapsar”. Dias comandou a reunião remota  e, segundo ele ficou acertado o entendimento para a compra de vacinas Sputnik V para o Plano Nacional de Imunização para a Covid-19.

 

 

“O Consórcio do Nordeste, liderado pelo governador do Estado da Bahia, Rui Costa, fez uma opção de compra por meio de um memorando com o Fundo Soberano Russo e, por esse acordo, ficaram reservadas 50 milhões de doses. Agora, com a decisão da Anvisa, nós, que estávamos prontos para celebrar o contrato, acertamos uma agenda com o ministro Eduardo Pazuello e sua equipe, ficando firmado o entendimento de que o ministério vai comprar as vacinas e, com base nessa compra, nós vamos garantir as condições de vacinas para todos os brasileiros”, disse o governador

 

 

Dias também afirmou que serão 39 milhões de doses já nesse contrato e ficou agendada, para esta sexta-feira (12), a definição das condições para a contração de vacinas da Sputnik V com o Fundo Soberano Russo, a Union Química e com o Ministério da Saúde, conforme o entendimento firmado com o Consórcio Nordeste.

 

 

Dias aponta colapso nacional

 

 

Ainda nesta quinta-feira (11), os governadores participaram de uma audiência pública da Comissão Temporária Covid-19 no Senado para discutir o enfrentamento à pandemia. Na reunião, o governador do Piauí e representante do Fórum dos governadores do NordesteWellington Dias, desmentiu o ministro da Saúde Eduardo Pazuello, que afirmou, na quarta-feira, que o sistema de saúde “não vai colapsar”.

 

 

Dias alertou que o País já vive um colapso hospitalar nacional, com milhares de pacientes desassistidos. “Algo aí como 30 mil, 40 mil pessoas em todas as filas hospitalares por vaga de UTI e, em alguns lugares também, de leito clínico. Ou seja, gente morrendo por falta de respirador”, constatou o governador.

 

 

O governador reforçou a importância de medidas restritivas para bloquear a circulação de pessoas em todo o país, de modo integrado, “para cortar a transmissibilidade do vírus”. Ele ressaltou, no entanto, que o Brasil só sairá da crise por meio de uma campanha de vacinação universal.

 

Também nesta quinta, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou resolução regulamentando “autorização excepcional temporária”, que permite ao estados, municípios e ao Distrito Federal importar medicamentos e vacinas para a Covid-19 que não possuam registro sanitário ou que não disponham de autorização para uso emergencial no País.

 

 

Segundo a Anvisa, as mudanças aprovadas visam a adequar seus procedimentos à Lei nº 14.214, sancionada na quarta-feira (10) pelo presidente Jair Bolsonaro. A agência sanitária também aprovou alterações na Resolução de Diretoria Colegiada – de dezembro de 2020 – que estabelece condições para a autorização temporária de uso emergencial de vacinas contra o coronavírus.

 

 

De acordo com o Consórcio de Veículos de Imprensa, o Brasil registrou hoje, 273.124 mortes, estando, agora, a ocupar o primeiro lugar no mundo, em números de mortes por dia. Em todo o país, são mais de 11 milhões de pessoas infectadas pelo vírus e todas as Unidades de Terapia Intensiva (UTI) em pleno colapso.

 

 

 

50 milhões de vacinados até abril

 

 

Dias afirmou que os governadores trabalham com um cronograma para chegar em abril com 50 milhões de pessoas vacinadas, todas dos grupos prioritários. “Vacinas reduzem internações e reduzem óbitos, o que já acontece no Amazonas”, explicou. Ainda segundo Dias, o cronograma define a vacinação, até julho, pelo menos 70% da população.

 

 

O governador lembrou da atual condição do Brasil de epicentro da doença, o que coloca em risco o combate à pandemia em nível global. Diante disso, argumentou que países como os EUA, por exemplo, devem levar em conta o quadro e liberar, para venda, vacinas que foram proibidas de serem exportadas ou que não estão sendo utilizadas.  

 

 

 

 

Confira as imagens da reunião:

 

 

 

 

Com informações do Fórum Nacional dos Governadores

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *