Publicidade

França apóia Cuba na produção de vacinas contra meningite e pneumonia

  • em



Com um financiamento de 45 milhões de euros, a França apoia o Finlay Vaccine Institute (IFV) para fortalecer sua capacidade de produção de vacinas contra meningite e pneumonia.

Vicente Vérez Bencomo, diretor do IFV, disse que este projeto começou a tomar forma há cinco anos  “é um investimento muito favorável para a modernização dos equipamentos e a remodelação dos centros de produção. Deve ser executado no prazo de três anos ”.

O embaixador da França em Cuba, Patrice Paoli, destacou que o IFV é um dos principais atores cubanos na produção de vacinas que beneficiam não só a população da ilha, mas também a África Subsaariana e outros países em desenvolvimento.

Ele acrescentou que o intercâmbio entre os contratos de financiamento é um passo decisivo para o projeto. “Os primeiros desembolsos serão feitos no quarto trimestre de 2021. Essas ações são uma prioridade para a colaboração cubana com os países que precisam dessas vacinas e também é um assunto importante para a França”, disse o embaixador.

“A saúde é um dos fatores definidos na agenda bilateral entre França e Cuba assinada em 2016, também entre o projeto promoverá uma cooperação muito importante para o aumento qualitativo e quantitativo das capacidades de produção das vacinas cubanas contra meningite e pneumonia”, disse Patrice Paoli.

Por seu turno, Vicente Vérez Bencomo, director do IFV afirmou que ao fornecer vacinas de qualidade a um custo acessível, distribuídas através da OMS e UNICEF, será melhorada a cobertura vacinal contra meningite e pneumonia  . Saúde infantil e redução das desigualdades no acesso às vacinas ”.

Essas vacinas conjugadas – disse Vérez – são amplamente utilizadas em crianças pequenas   “são usadas para derrotar a meningite bacteriana e a pneumonia, porque os bebês não respondem aos antígenos que essas bactérias têm”.

O diretor do Finlay Vaccine Institute lembrou que a primeira vacina desse tipo em Cuba foi o Haemophilus influenzae tipo b, que era totalmente sintético.

 

Do Cuba em Resumen e retirado de Cubadebate / Foto da capa: Abel Padrón Padilla / Cubadebate. 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *