Publicidade

Fantinato: Bolsonaro sabotou campanha nacional de vacinação

  • em



Ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações afirmou à CPI que politização, falta de comunicação integrada e decisão do presidente de não comprar vacinas prejudicaram estratégia para salvar vidas

 

 

Jair Bolsonaro prejudicou de todas as formas a campanha nacional de vacinação, um instrumento sanitário que poderia ter evitado milhares de mortes por Covid-19 no Brasil. Seja pela opção de não comprar vacinas como a Pfizer, por promover ataques a imunizantes como a CoronaVac, pela falta de uma comunicação coordenada e centrada na importância das imunizações junto a estados e municípios, ou pela politização do tema. É o que concluíram os senadores da CPI da Covid, após o depoimento da ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) Francieli Fantinato.

 

 

“Para um programa [de vacinação] ter sucesso, é simples: é necessário ter vacina e campanha publicitária efetiva. Infelizmente, eu não tive nenhum dos dois”, confirmou Fantinato. Ela declarou que a politização em torno do assunto das vacinas motivou sua saída do cargo no início deste mês.

 

 

“O programa de vacinação foi sabotado pelo governo”, apontou o senador Rogério Carvalho (PT-SE). “Francieli Fantinato revela à CPI à Covid que não teve apoio nem para o que há de mais simples para um programação de sucesso: vacina e campanha publicitária efetiva”, lamentou o senador.

 

 

Além do empenho de Bolsonaro em prejudicar ações para salvar vidas, Francieli relatou que pressões para a inclusão de grupos prioritários na campanha atrapalharam, no âmbito do Ministério da Saúde, a estratégia de vacinação do programa. “Sofrer pressão de todos os segmentos para entrada de grupos trouxe dificuldades para a campanha. Se tivesse vacina suficiente, não precisaria dessa fragmentação”, queixou-se Fantinato.

 

 

Ela também informou que o secretário-Executivo da Saúde, coronel Élcio Franco, solicitou a retirada de presidiários da categoria de grupos prioritários do programa de vacinação sem nenhuma justificativa técnica. “Mas não cedemos, entendemos a importância desse grupo, que é vulnerável, [sujeito à] prevalência maior de infecções, em presídios com condições inadequadas”.

 

 

Covax Facility

 

 

O senador Humberto Costa (PT-PE) questionou a servidora se o PNI teve alguma participação na decisão de compra de vacinas do consórcio Covax Facility, da Organização Mundial da Saúde (OMS). Fantinato revelou que a decisão do quantitativo de vacinas, de apenas 10%, foi uma decisão dos “negociadores”.

 

 

“Eu recebi o contrato já fechado com 10%”, disse. “Nós fizemos uma nota técnica inicial com o mesmo teor da nota técnica da Astrazeneca apontando que tinha necessidade de vacinas 55% da população até 95%”, explicou Francieli. “Depois veio o contrato fechado para que a gente se manifestasse sobre o grupo que deveria ser atendido com esse quantitativo.”

 

 

“Isso é muito grave. A decisão de compra não foi por critérios técnicos, e sim políticos”, concluiu Costa. “Quando analisamos a postura do governo, foi marcada por equívocos”, apontou o senador.

 

 

 

 

Humberto Costa frisou o fato de que o governo atrasou a chegada da Pfizer mas foi célere em comprar vacinas por intermediários, “com empresas sem qualquer idoneidade quanto à representatividade de laboratórios”.

 

 

Recomendação de vacinas

 

 

A gestora informou à comissão que seu departamento emitiu notas técnicas recomendando aquisição de vacinas como Pfizer e CoronaVac e até a Covaxin. Ela ressaltou que também solicitou dados sobre a eficácia e segurança da vacina indiana, hoje alvo de investigação por suspeita de um esquema de corrupção na compra do imunizante.

 

 

 

 

Fantinato afirmou que recomendou a aquisição da vacina em função da gravidade do cenário pandêmico e da necessidade de o governo acelerar as imunizações no país.

 

 

“Recomenda-se demandar à empresa fabricante o envio dos dados de eficácia e segurança já disponíveis. Recomenda-se ainda questionar a fabricante qual plano de atualização da vacina caso venha a se demonstrar redução da eficácia frente ao surgimento de novas variantes do SARS-CoV-2”, diz a nota lida pela servidora na oitiva.

 

 

Do site PT na Câmara

  • Compartilhe

2 comentários

  1. Esses senadores do PT não prestam pra nada. Defensores de bandidos e desejam a volta da corrupção. #PTNuncaMais

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *