Publicidade

Fake news: projeto de lei na Câmara prevê pena de até 3 anos de cadeia

  • em



O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), relator do Projeto de Lei das Fake New (Projeto de Lei  2630/20), afirma que o objetivo maior é punir as quadrilhas que utilizam dinheiro sujo para a prática criminosa.

 

 

Um grupo de trabalho na Câmara Federal está discutindo o Projeto de Lei das Fake News, que tem como objetivo criminalizar a prática que já se tornou corriqueira e bastante utilizada, principalmente nas eleições.

 

 

Em 2018, um dos elementos que contribuíram para a vitória de representantes da extrema-direita, como o próprio atual presidente Jair Bolsonaro, foi justamente a produção e a disseminação impune das chamadas Fake News. A campanha de Bolsonaro foi acusada de promover disparos em massa de notícias falsas que influenciaram o resultado eleitoral.

 

 

Uma das propostas para barrar a prática criminosa prevê inclusive uma pena de até 3 anos de prisão para quem promover ou financiar disseminação de “fato que se sabe inverídico” por meio de suplementos ou outros recursos não fornecidos pelas redes sociais.

 

 

A proposta tem como relator o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP). Em entrevista ao site Poder 360, o parlamentar informou que o projeto inclui também como passível de cadeia o envio em massa de mensagens “que causem dano à integridade física ou das pessoas ou sejam capazes de comprometer a higidez do processo eleitoral” nas mesmas condições.

 

 

A respeito do velho argumento de que deixar a cargo do Judiciário a decisão sobre “liberdade de expressão” poderia ser arriscado, Orlando Silva considera que tal sanção vai depender da existência um processo legal e não se trata de uma decisão ao livre arbítrio de um magistrado. Para ele, é justamente o Poder Judiciário que é competente para julgar o caso e aplicar a sanção.

 

 

O objetivo do projeto que pune a produção e disseminação das Fake News, de acordo com Silva, não é prender as pessoas comuns que habitam as redes sociais, mas sim punir com severidade as organizações criminosas que utilizam de dinheiro sujo para atacar a honra das pessoas e colocar em risco a democracia no país.

 

 

O relator do projeto afirmou durante a entrevista que as empresas com mais de 10 milhões de usuários e que não cumprem o que for determinado na lei terão seus serviços bloqueados no Brasil. “ Se não cumprirem a lei elas serão advertidas. Se seguirem sem cumprir a lei serão multadas. Se ainda assim não cumprirem a lei, podem ter o serviço suspenso e até proibido ”, enfatizou Silva. “Quem decidirá isso? No caso da suspensão e da proibição do serviço, um órgão especial que é um tribunal, por maioria. Isso valerá para todo mundo”.

 

 

Outro aspecto interessante defendido no projeto de lei é a defesa de que os mecanismos de busca na internet deveriam remunerar o conteúdo jornalístico que apresenta em suas páginas. De acordo com o congressista, isso seria justo porque os buscadores ganham dinheiro com a indexação desse conteúdo.

 

 

A parte já concluída inclui uma remuneração dos produtores de conteúdo, a ser regulamentada pelo governo. O texto não diferencia os provedores de busca (como o Google) das demais redes sociais, mas o relator afirma que eles seriam o alvo principal.

 

 

Apesar de todos os olhares estarem voltados para as eleições gerais do ano que vem, com analistas já prevendo o impacto negativos que as Fake News poderão ter sobre o pleito, o relator afirmou que uma lei geral como a que está sendo proposta irá impactar toda a atividade das redes sociais, ferramentas de busca e serviço de mensagens, e que isso logicamente terá também  um impacto no pleito eleitoral.

 




 

 

SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *