Publicidade

Exclusivo | David Paravisini: Chevron é propaganda para os EUA para encobrir que está liberando recursos bloqueados (+Vídeo)

  • em



Dada a desinformação que circula sobre o “retorno da Chevron à Venezuela”, a agência de notícias Venezuela News conversou com David Paravisini, engenheiro, especialista em políticas públicas de energia, destacado professor universitário e também ex-deputado na Assembleia Nacional Constituinte de 2017, que restaurou a paz após intensa oposição dos guarimbas.

 

Do logotipo, esclarece-se que a expressão inicial que alude ao regresso, muito presente nos meios de comunicação, “tem uma falsidade intrínseca porque a Chevron nunca saiu e tem continuado a operar o tempo todo”.

 

“Além disso, mantenho relações extraordinárias de cooperação com o governo venezuelano”, afirma. De imediato, ele alerta que tudo ou o que aconteceu tem sentido, pois o fato de a estatal PDVSA não receber dividendos, não passa de uma “campanha de propaganda” com interesses políticos.

 

“Porque eles escrevem ou o OFAC vai dizer. É escrito pelo OFAC, ou Departamento de Estado, ou pelo Presidente dos Estados Unidos. Eles escrevem o que querem, podemos dizer que vão pagar impostos ou que não vão pagar ”, explica o acadêmico em seu intercâmbio com o Venezuela News.

 

Ele acrescenta que “é verdade, a Chevron é a operadora da Petropiar, no estado de Monagas, e também está explorando em Zulia por meio da PetroIndependencia e Petroboscán”. Da mesma forma, ele acrescenta que a empresa norte-americana exporta, atualmente, cerca de 200 mil barris por dia. Também deixa claro que “seus limites de exportação dependem da capacidade de investimento”.

 

Ocorre que “como a PDVSA não tem dólares disponíveis neste momento, os investimentos para a manutenção da produção ficam por conta do sócio B”.

Empresas mistas

 

O especialista na área de petróleo, David Paravisini, explica que como resultado da política de verdadeira nacionalização da indústria petrolífera, lançada pelo comandante Hugo Chávez, surgirão empresas mistas. Estas nada mais são do que associações estratégicas que o Estado forma com transnacionais para atuar em qualquer área do Cinturão Petrolífero, mas com regras de jogo diferentes da Quarta República. De 30% das ações, o Estado, como legítimo e soberano proprietário do recurso, passou a ser o acionista majoritário com 60%.

 

“Todas as empresas internacionais concordaram com a renegociação, exceto ConocoPhilips e ExxonMobil. Eles também acusaram a Venezuela de expropriação e pagamento abaixo do que queriam. A Exxon processa o Estado em quase 15 bilhões de dólares e eu sei uns 30 bilhões. O litígio da Exxon foi resolvido e o litígio da Conoco ainda estamos aqui”, disse Paravisini.

 

“Ele espera que a Chevron consiga pagar os investimentos mais rapidamente. Como a Venezuela não tem dólares para manter a indústria funcionando, o parceiro B coloca você. Mas, pelas devidas condições do contrato e da negociação, há uma série de atividades, compras, sistema de transporte, a venda propriamente dita e a negociação do petróleo que estão nas mãos do sócio A, ou seja, da PDVSA».

 

Campainha

 

O professor Paravisini aprofunda sua hipótese de propaganda política como pano de fundo. Nesse sentido, ele argumenta que ouviu porta-vozes de direita dizerem que não custa nada para a Venezuela “abrir e garantir o livre acesso aos Jazidas “.

 

Em seguida, destaca, traçando o tom ou o contexto em que surge a licença para a Chevron, que, como “todos os tiros serão disparados da oposição do G4, ou o governo dos Estados Unidos está ocupando os espaços em branco”.

 

 

Acrescentou que “quando essas negociações (diálogo) forem feitas, o governo vai ser representado por pessoas que façam propostas e tenham capacidade de negociar, mas por parte da oposição não há nada”.

 

E dá melhor forma à sua conclusão: «Tudo é da Chevron, para mim, é para encobrir o facto dos Estados Unidos, estaremos efectivamente a libertar os recursos que tememos reprimidos e que insistimos em tentar fortalecer uma oposição que está mais desacreditada que nada, nem um país e com gente da oposição que nunca os credencia de jeito nenhum».

 

 

Ele credita a ele que, no final das contas, os Estados Unidos não se importam se o povo venezuelano está sofrendo ou não, “a única coisa que lhes interessa é o petróleo venezuelano e o trabalho escravo”.

 

Batalha campal por petróleo

 

David Paravisini também alerta que as consequências das sanções contra a Rússia estão sendo revertidas nos Estados Unidos, assim como na Europa. “O preço da gasolina disparou e há uma verdadeira batalha entre petróleo e gás porque grandes consumidores como Europa, Japão e países do Indo-Pacífico estão pressionando os preços para cima. Uma forma de diminuir a pressão sobre essa questão de preço é colocar mais petróleo no mercado.

 

O fiador que faz parte da campanha que denuncia diz que na Venezuela “não se consegue mais petróleo ou que não sei ou que tivemos que fazer”.

 

Ele questiona que “o Fundo Monetário Internacional calculou quanto custaria aumentar a produção e falou em 180 bilhões de dólares. Não é assim, são cerca de 20 ou 30 bilhões de dólares para as possibilidades do mercado interno e para cobrir as necessidades do grande país e parceiros como a Chevron”.

 

Paravisini alerta que existem algumas histórias reais que estão sendo omitidas deliberadamente quando são exibidas em uma indústria nacional que foi afetada ou diminuída. “E quando o preço do petróleo deixa de ser 20 dólares ou o barril e sobe para 60, 70, 80, 100 dólares, essas deteriorações não causam nada. A refinaria El Palito, com menos de 100 milhões de dólares, está produzindo 100.000 barris por dia . Um barril de petróleo hoje custa mais de US$ 150 ou barril . ”

Venezuela é protagonista no mundo

 

O professor Paravisini diz que em 2021 as empresas de eletricidade, que estão tentando promover o uso de energias alternativas após as mudanças climáticas, estão pensando que os hidrocarbonetos não serão mais usados ​​em apenas cinco anos.

 

“O ponto de partida está correto, as mudanças climáticas exigem um esforço, mas pensar que 85% da matriz energética que é de hidrocarbonetos pode ser abandonada em cinco anos, não é coisa da cabeça. Este é um plano plurianual . ”

 

 

No final da linha desafiadora, a Venezuela mostra a verdade, “o que está acontecendo aqui nos próximos 150 anos é petróleo, gás e carvão. As alternativas serão cobrar seu espaço. Não entretanto, a China não tem petróleo, a Noruega mal ouviu falar, a Europa não tem petróleo . Isso significa, explica, que esses países comprometerão sua segurança energética , porque depender de energias alternativas não é uma base sólida.

 

E, por fim, diz que “a Venezuela, não sei se é o atacante, mas é primeira ou segunda base nesse jogo extraordinário que está sendo disputado em termos de energia, visto que (Hugo) Chávez tem o solidez do presidente Nicolás Maduro Permaneça firme com a força que vê ter obtido a soberania sobre os recursos energéticos” .

 

 

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *