Entre os 92 países que serão favorecidos, estão incluídas várias nações africanas, como Cabo Verde, asiáticas, como o Afeganistão e latino-americanas, como a Bolívia. Brasil ficou de fora da lista.

 

 

Nesta quinta-feira (10), os Estados Unidos da América (EUA) confirmaram, oficialmente, que vão comprar 500 milhões de doses da Pfizer para doar a países com contexto socioeconômico mais enfraquecido. A doação beneficiará 92 países e a União Africana, porém, o Brasil não está na lista, de acordo com a Folha de S. Paulo.

 

 

“Até o fim deste ano, 200 milhões de doses serão enviadas, começando no mês de agosto. As 300 milhões de doses restantes serão entregues no primeiro semestre de 2022”, afirmou o governo estadunidense.

 

A Casa Branca divulgou que essa é a maior compra e doação de vacinas efetuadas por um único país na pandemia até agora, e a negociação das mesmas deve ser a preço de custo.

 

O porta-voz da Casa Branca para assuntos relacionados ao coronavírus, Jeffrey Zients, “a intenção é usufruir do ritmo de vacinação norte-americana “para reunir as democracias do mundo e, assim, resolver esta crise globalmente, com os EUA ‘liderando’ o caminho para criar um arsenal de vacinas que serão fundamentais em nossa luta global contra a Covid-19”.

 

Os países beneficiados incluem várias nações africanas, como Angola, Marrocos, Cabo Verde, Nigéria e Quênia, asiáticas, como Afeganistão, Bangladesh, Índia e Paquistão, e da América Latina e do Caribe, como Haiti, Bolívia, Honduras e Nicarágua.

 

Os recipientes das vacinas Oxford/AstraZeneca são retratados durante uma cerimônia de entrega de vacinas contra a COVID-19 sob o esquema COVAX no Aeroporto Internacional de Phnom Penh, Camboja, 2 de março de 2021.
Os recipientes das vacinas Oxford/AstraZeneca são retratados durante uma cerimônia de entrega de vacinas contra a COVID-19 sob o esquema COVAX no Aeroporto Internacional de Phnom Penh, Camboja, 2 de março de 2021. Foto: ©REUTERS/CINDY LIU

Segundo a mídia, as doações acontecerão pelo sistema COVAX e uma segunda negociação para compra de um número similar de doses da fabricante Moderna também estaria em andamento.

Reproduzido do site Sputnik Brasil