Publicidade

Estudo do Ineep revela que venda da Rlam impactou a capacidade de produção da Petrobrás

  • em



A produção de derivados da Petrobrás caiu de 1,82 milhão de barris por dia para 1,72 milhão de bpd entre o primeiro trimentre de 2021 e 2022.

 

Essa redução está diretamente relacionada à venda refinaria baiana, que detém a segunda maior capacidade de refino do país. É o que revelam os pesquisadores Mahatma Ramos dos Santos e Rafael Rodrigues da Costa, do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (INEEP). Leia a íntegra:

 

Em um trimestre marcado pela antítese entre os superlucros alcançados pela Petrobras em 2021 e aceleração do índice geral de preços e, em especial, dos preços dos derivados no Brasil, o relatório de produção e vendas da estatal do 1º trimestre de 2022, divulgado ontem (27/04) apresentou aumento na produção de petróleo e gás natural, queda na produção de derivados e manutenção da tendência de crescimento no volume de vendas de derivados no mercado interno.

 

No primeiro trimestre de 2022, a produção média de óleo, LGN e gás natural cresceu 1,4%, saindo de 2,72 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d) no 1T21 para 2,75 milhões de boe/d no 1T22.

 

A produção média de derivados, por outro lado, registrou queda de 5,2% no mesmo período, passando de 1,82 milhão de barris diários (bpd) no 1T21 para 1,72 milhão de bpd no presente trimestre.

 

A elevação da produção de petróleo e gás natural foi impulsionada por três fatores: (i) pela a alavancagem (ramp-ups) da produção no campo de Sépia (FPSOs Carioca) e nos campos de Berbigão e Surucu, todos localizados no pré-sal da Bacia de Santos; (ii) pelo início da operação de novos poços no pós-sal da Bacia de Campos e; (ii) pela retomada da produção em algumas unidades após paradas para manutenção ao longo de 2021.

 

O pré-sal foi o principal vetor do crescimento da produção de óleo e LGN neste trimestre, com variação positiva de 7,3% em relação ao 1T21. A produção saltou de 1,56 milhão de barris de óleo equivalente por dia (boe/d) em 1T21 para 1,68 milhão de boe/d em 1T22.

 

A produção no polígono do pré-sal representou 72% da produção total da Petrobras em 1T22, contra 69% registrados no 1T21. O desempenho atual é reflexo da estratégia da Petrobras, que concentrou seus investimentos quase exclusivamente no desenvolvimento da produção do pré-sal e optou por abandonar áreas de produção no norte e nordeste brasileiro, assim como em águas profundas.

 

No segmento do refino, observou-se uma queda de 5,2% na produção de derivados no presente trimestre, quando comparado ao mesmo período do ano anterior.

 

A produção total de derivados caiu de 1,82 milhão de barris por dia (bpd) no 1T21 para 1,72 milhão de bpd no 1T22. Essa redução está diretamente relacionada à venda da RLAM, atual Refinaria Mataripe (BA), que detém a segunda maior capacidade de refino do país.

 

Nem mesmo operando com sua capacidade “máxima possível dentro de condições seguras” a Petrobras conseguiu compensar o efeito negativo da sua decisão política de sair do refino na Bahia.

 

No 1T22, a estatal elevou para 87% o fator de utilização (FUT) médio de seu parque de refino, 5 pontos percentuais superior ao observado no 1T21. Na última semana de março a Petrobras atingiu um FUT de 91%.

 

O crescimento de 2,0% do volume de derivados comercializados no mercado interno neste trimestre segue pressionando a capacidade de oferta de derivados da estatal. Esse aumento foi impulsionado pela forte demanda por gasolina, derivado cujas vendas subiram 17,5% no 1T22 (402 mil bpd), quando comparado a 1T21 (342 mil bpd).

 

As vendas de diesel e óleo combustível, por outro lado, registraram queda de, respectivamente, 2,2% e 33,9%, neste trimestre, em comparação com 1T21.

 

A redução sazonal na demanda por diesel explica parcialmente a queda no seu volume de vendas, ao passo que a ampla queda das vendas no mercado interno de óleo combustível deveu-se a menor demanda para geração termelétrica, dado a recuperação do nível dos reservatórios hídricos no país.

 

Vale ressaltar que o bom desempenho das exportações líquidas, que registram crescimento de 18,4% no 1T22, em comparação ao 1T21, se deveu a dois motivos, primeiro, a redução das importações totais em 10,5% e, em segundo lugar, ao crescimento das exportações de petróleo (6,3%) e óleo combustível (6,5%).

 

O desempenho operacional da empresa nesse primeiro trimestre de 2022 reafirma a importância do segmento do refino para Petrobras e lançam dúvidas sobre a política de desinvestimentos em curso. Apenas em 2021 a estatal vendeu três refinarias (RLAM, REMAN e SIX).

 

[Artigo publicado originalmente no blog Cafezinho]




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *