Publicidade

Empregados da Caixa abraçam prédio da matriz, em Brasília, e exigem respeito aos trabalhadores

  • em



“Trágico”. É assim que empregados e empregadas definem os recentes acontecimentos que envolvem a gestão da Caixa Econômica Federal. Depois das denúncias de assédio moral e sexual que fizeram Pedro Guimarães perder a presidência do banco, a morte ainda nebulosa de Sérgio Ricardo Faustino Batista nas dependências do edifício-sede, em Brasília, levou dezenas de trabalhadores a um protesto na frente do Matriz I, na quarta-feira (20).

 

O abraço, acompanhado de um minuto de silêncio, reforçou o pedido pelo fim de um clima organizacional adoecedor. No tradicional pátio do Matriz I, juntaram-se os lutos pela morte simbólica das vítimas de assédio e pela morte real do diretor de Controles Internos e Integridade, responsável pelas investigações dos casos envolvendo o ex-presidente da empresa.

 

Kleytton Morais. Foto: Divulgação
Kleytton Morais. Foto: Divulgação

A manifestação, que destacou a situação como urgente, cobrou apuração rigorosa dos acontecimentos. Emocionado, o presidente do Sindicato contou detalhes do ofício enviado à direção da Caixa. “Todos nós precisamos de tempo para processar tudo o que tem acontecido na empresa. No documento, pedimos abono do ponto de hoje (quarta), além de decreto de três dias de luto na CEF; expansão do teletrabalho até o final da semana; revogação imediata das reestruturações e o fim dos descomissionamentos”, listou Kleytton Morais.

 

 

 

O dirigente disse ainda que “o assunto não pode ser tratado com banalidade. Precisamos de gestões comprometidas em estancar o assédio para que este mal não vitime outros colegas. Não vamos nos curvar diante desse absurdo. O local onde a gente trabalha deve ser o lugar onde a gente encontra nossa dignidade, não pode ser um local de sofrimento”.

 

Érika Kokay. Foto: Divulgação
Érika Kokay. Foto: Divulgação

Presente ao ato, a deputada Erika Kokay (PT-DF), empregada aposentada da CEF, afirmou que “o que a gente vê é que a Caixa e seus empregados estão sofrendo um processo de desprezo, expondo esta grande empresa a recorrentes tragédias. Estamos vendo várias expressões de sofrimento entre os colegas, e é preciso dar um basta nisso”.

 

 

 

Enilson Plattner, diretor da Federação dos Bancários do Centro Norte (Fetec-CUT/CN) e empregado da Caixa há mais de 30 anos, lembrou das diversas manifestações e momentos históricos já vividos no pátio que dá acesso ao Matriz I. “Da assembleia para a jornada de 6 horas ao ato recente de coragem das mulheres nos escandalosos casos de assédios da gestão de Pedro Guimarães, este pátio foi palco de luta e de resistência. Não podemos mais usá-lo para o luto”, frisou Enilson.

 

Devido à morte do diretor do banco, a Caixa cancelou as negociações da Campanha Nacional 2022 marcadas para esta semana.

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *