Publicidade

Em seis estados, a cada 4 horas uma pessoa negra é morta em ações policiais

  • em



Estudo “Pele alvo: a cor da violência policial” foi realizado com base nos dados obtidos via Lei de Acesso à Informação pela Rede de Observatórios da Segurança

 

 

 

Um estudo da Rede de Observatórios da Segurança, divulgado nesta terça-feira, 14, aponta que das 2.653 mortes provocadas pela polícia com informação racial 82,7% delas são pessoas negras. O último relatório do ano sobre a cor da violência policial é resultado do estudo “Pele alvo: a cor da violência policial”.

 

 

O levantamento foi realizado com base nos dados obtidos via Lei de Acesso à Informação, em seis estados. Os dados são de 2020 e mostram que mesmo em um contexto de crise sanitária mundial o racismo não dá trégua, pelo contrário, mata ainda mais, tanto por vírus como por tiro.

 

 

O levantamento revela que a cada quatro horas uma pessoa negra é morta em ações policiais em seis dos sete estados monitorados pela Rede (Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Ceará, Piauí, Pernambuco), além de que todos os mortos pela polícia em Recife, Fortaleza e Salvador eram pessoas negras.

 

 

O estado que mais mata pessoas negras é o Rio de Janeiro, com 939 registros entre os 1.092 mortos que tiveram a cor/raça informada. A Bahia é o estado que, novamente, apresenta a maior porcentagem de mortes de pessoas negras por agentes do estado, com a polícia mais letal do Nordeste.

 

 

Para Nilma Lino, coordenadora do NAPP de Igualdade Racial da Fundação Perseu Abramo (FPA) e ex-ministra da Igualdade Racial no governo Dilma, os dados revelados são “aterradores”.

 

 

“O levantamento confirma conclusões de outros estudos já realizados no Brasil sobre a ausência de segurança pública para a população negra brasileira e trazem um elemento que causa ainda mais espanto: na pandemia, negras e negros morreram mais não somente pela transmissão do vírus da Covid-19 mas, também pela bala das polícias. Que segurança pública é essa que tem como seus alvos principais aquelas e aqueles, mais assolados historicamente pelas desigualdades de toda ordem, os quais o Estado deveria cuidar e proteger?”

 

 

Nilma ressalta que “vivemos tempos de democracia em risco e de desgoverno total. Quanto mais ataques à democracia, mais fenômenos perversos como o racismo, incrustado em nossa estrutura social, se acirram. Os dados revelam a urgência não só de uma segurança pública cidadã, mas, também, de uma segurança pública cidadã e antirracista. Não dá mais para a sociedade brasileira naturalizar a violência policial que atinge a população negra”.

 

 

É a segunda vez que a Rede de Observatórios analisa os números das secretarias de segurança dos estados que monitora. A primeira edição da pesquisa aconteceu no ano passado.

 

 

 

Do PT Brasil, com informações do Alma Preta




 

 

SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *