Nesta segunda-feira (9), após 3 anos sem reajustar o programa social Bolsa Família (criado pelo governo do ex-presidente Lula), o presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) confirmou que irá lançar um novo programa social em substituição ao Bolsa Família ao qual deu o nome de “Auxílio Brasil” e terá no mínimo 50% de reajuste.

O novo nome já era discutido entre os interlocutores do presidente e foi anunciado durante a posse do novo ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP-PI), no Palácio do Planalto. Até o ano passado, o governo prometia o lançamento de um programa substituto ao Bolsa Família que se chamaria Renda Brasil. Depois veio a ideia do Renda Cidadã e agora o modelo irá se chamar Auxílio Brasil.

“Os mais pobres têm dificuldade enorme de sustento”, pontuou Bolsonaro, citando o aumento da inflação. “Com o coração grande de Paulo Guedes (Economia) e sua equipe, o trabalho agora de Ciro e do João Roma (Cidadania), estamos aprofundando de modo que teremos o novo programa, Auxílio Brasil, de pelo menos 50% maior que o Bolsa-Família. Eu falo 50% porque os outros 50% vou deixar para o Paulo Guedes anunciar”.

 

O presidente evitou citar em seu discurso ataques à democracia, às urnas eletrônicas e ao Supremo Tribunal Federal, como tem feito ultimamente, e frisou que a chegada de Nogueira ao governo é “demonstração de que queremos aprofundar a relação com o Parlamento”. O presidente também elogiou nominalmente os governadores aliados que compareceram à cerimônia.