Publicidade

La Jornada analisa Starbucks e o novo movimento sindical

  • em



Cerca de mil funcionários de cerca de 100 lojas da rede de lanchonetes Starbucks nos Estados Unidos fizeram greve de sexta a domingo como parte de sua campanha para formar um sindicato que zela pelos direitos de todos os trabalhadores da maior empresa do setor .

Esta é a segunda greve em um mês e a mais longa no ano em que o esforço de sindicalização ocorre.

 

 

Trata-se de um movimento incipiente, em que apenas 260 das 9.000 filiais da Starbucks nos Estados Unidos votaram a favor da adesão a um sindicato. No entanto, tem importância histórica e simbólica por representar a irrupção da luta por direitos trabalhistas em uma empresa que encarna o chamado american way of life .

 

 

Para entender o significado do fenômeno, é necessário olhar para trás. A ascensão da ideologia neoliberal na década de 1970 trouxe consigo o desmantelamento violento das conquistas dos trabalhadores em um século e meio de luta por seus direitos, bem como a promoção do senso comum de que o emprego é uma graça concedida pelos empregadores que os funcionários devem receber com gratidão, sem exigir nada além do salário cada vez menor que lhes é entregue. Uma das principais características do neoliberalismo nos países avançados, a transferência da indústria para regiões de baixos salários com o consequente deslocamento da classe trabalhadora tradicional por empregados de serviços, foi correlacionada com um ataque frontal aos sindicatos e ao desmantelamento do trabalho organizado.autônomo )”.

 

 

Diante dessa história, o movimento ainda modesto dos trabalhadores da Starbucks mostra o resgate de uma consciência operária que muitos observadores consideravam extinta devido ao distanciamento dos jovens das lutas coletivas dos séculos XIX e XX. Começa a se ver como, diante da insuficiência de renda e dos abusos patronais, as jovens gerações resgatam o conhecimento de que somente unidas poderão enfrentar os grandes problemas de seu próprio tempo.

 

 

Os desafios enfrentados pelos trabalhadores são formidáveis. A Starbucks, assim como outras empresas que viram crescer nos últimos anos a demanda por reconhecimento de direitos trabalhistas (incluindo McDonald’s, Amazon ou Uber), tem enorme poder de influência nas decisões judiciais, na classe política e na opinião pública, muitos dos quais demonstram absoluta lealdade às marcas sem discernir os prejuízos sociais, ambientais e econômicos da concentração de riqueza e das formas extremas de exploração nas quais essas empresas baseiam seu sucesso.

 

 

A resposta da rede de cafeterias às justas demandas de seus funcionários vai desde sabotar acordos coletivos de trabalho até demitir sindicalistas e fechar lojas que optaram por aderir, deixando o futuro da iniciativa incerto. Nesse cenário, espera-se que a sociedade americana perceba o que está em jogo: nada menos que a esperança de reverter a precarização do trabalho e lançar as bases de um modelo econômico em que a grande maioria não seja sacrificada para que alguns amem riquezas fabulosas.

 

 

Fonte: https://www.jornada.com.mx/2022/12/19/opinion/002a1edi

Reproduzido do site Rebelión. Acesse: https://rebelion.org/starbucks-y-el-nuevo-movimiento-sindical/

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *