Publicidade

Em Davos, Haddad fala em “reequilibrar sistema tributário”

  • em



Ministro da Fazenda menciona mudanças na cobrança de impostos durante participação no Fórum Econômico Mundial

 

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou, nessa terça-feira (17/1), que a equipe econômica trabalhará para “reequilibrar o sistema tributário brasileiro”. No Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, ele falou que parte da reforma tributária deve ser votada ainda no primeiro semestre.

 

 

Segundo Haddad, a mudança na cobrança de impostos resultará na desoneração dos mais pobres e levará os ricos a pagarem mais. Sem entrar em detalhes, voltou a falar que a proposta será feita em duas partes, com a 1ª alteração incidindo sobre os tributos indiretos.

 

“Essa reforma tributária que vai ser votada é sobre o imposto sobre consumo, mas no 2º semestre, nós queremos votar uma reforma tributária sobre a renda para desonerar as camadas mais pobres do imposto e para onerar quem hoje não paga imposto. Muita gente no Brasil não paga imposto. Nós vamos reequilibrar o sistema tributário brasileiro para melhorar a distribuição de renda no Brasil”, declarou.

 

 

Em Davos, Fernando Haddad participou do painel “Brasil: um novo roteiro”. Esteve ao lado da ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva. A mediação foi de Marisol Argueta de Barillas, diretora para América Latina e integrante do Conselho de Administração do Fórum Econômico Mundial.

 

 

O ministro da Fazenda disse que o Brasil está com uma “agenda de reindustrialização voltada para a sustentabilidade ambiental”. Afirmou que o país apostará numa reintegração com os países sul-americanos pelo fato de, segundo ele, a maioria dos líderes ser progressista.

 

 

Pacote antidéficit

 

Haddad atribuiu o lançamento de uma série de medidas para diminuir o deficit estimado de R$ 231,5 bilhões no Orçamento de 2023 à administração do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Disse que está “herdando um problema que foi causado não pela pandemia, mas pela iminente derrota do governo anterior diante das eleições”.

 

 

“O governo anterior, diante do prognóstico desfavorável, tomou uma série de medidas de dispêndio – muito socialmente justas –, mas absolutamente eleitoreiras pela forma e pelo momento em que foram adotadas. E também de renúncia de receita da ordem de 1,5% no Produto Interno Bruto brasileiro, que causou um tremendo de um desequilíbrio nas nossas contas, que precisa ser resolvido”, declarou.

 

 

O ministro da Fazenda disse que a equipe econômica trabalha para zerar o deficit em 2 anos. Segundo ele, a reforma tributária facilitaria isso. “A gente está pretendendo voltar despesas e receitas ao mesmo patamar pré-crise da pandemia, que é 18,7% [do PIB] no plano federal”. Haddad também falou em crescer com “mais justiça social e mais preservação ambiental”.

 

 

“Isso tem que vir acompanhado de uma série de medidas no plano regulatório, do crédito, da reindustrialização voltada para a transição ecológica, com uma integração regional. […] Se nós tivermos a agenda correta com o pressuposto de contas equilibradas, você pode ter certeza de que o Brasil vai voltar a crescer acima da média mundial como aconteceu nos 8 anos do governo do presidente Lula”, acrescentou.

 

 

Ao mencionar brevemente a crise envolvendo a Americanas, afirmou que o país está com “problemas tópicos”, mas, na sua visão, o mercado financeiro “entendeu o que significa” o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

 

 

“Nós estamos com problemas tópicos. Agora mesmo uma grande rede de varejo está passando por um problema grave no Brasil, mas eu acho que o chamado mercado entendeu o que significa o governo Lula: estabilidade, previsibilidade, um plano de desenvolvimento de médio e longo prazo com compromisso social. Eu penso que a autoridade do presidente, sua reputação, dá condições de fazer o Brasil prosperar”, afirmou.

Do site Poder 360.
Acesse: https://www.poder360.com.br/economia/em-davos-haddad-fala-em-reequilibrar-sistema-tributario/

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *