Com a Covid, voltamos ao início do século passado”,  Bernadete Perez, vice-presidente da Abrasco

 

 

O Brasil chegou, na terça-feira (16), à soma de 282 mil mortes por causa da Covid-19. O primeiro óbito causado pela doença no País foi divulgado em 17 de março do ano passado. Um ano depois, o novo coronavírus superou marcas históricas de doenças causadas por agentes infecciosos nas últimas quatro décadas, como HIV, tuberculose e doença de Chagas.

 

 

em reportagem do UOL, foi feita uma comparação dos dados da Covid-19 e do SIM (Sistema de Informação sobre Mortalidade), do Ministério da Saúde, que traz números detalhados de mortes classificadas em dois períodos: 1980 a 1995 (com menos especificações) e 1996 a 2019 (com mais especificações). Os dados de 2020 ainda não estão disponíveis.

 

 

 

O principal agente externo —como o sistema identifica vírus, bactérias e outros microoganismos que causam doenças fatais— que matou brasileiros nas quatro décadas passadas foi o HIV, que causa a Aids. Segundo dados do SIM, entre 1996 (primeiro ano que aparece na contabilidade) e 2019 foram 281.278 óbitos no país.

 

 

 

Na terça-feira (16), com as 2.798 mortes registradas em 24 horas, a soma de óbitos por causa da covid no Brasil alcançou 282.400 e superou os registros de óbitos por HIV. Os números da covid-19, porém, ainda devem crescer bastante, já que, segundo especialistas, o país ainda não atingiu o pico de contágio.

 

 

As doenças por agentes externos que mais mataram, desde 1980, segundo o SIM, são:

 

 

HIV/Aids (*desde 1996): 281.278 óbitos

Tuberculose: 208.975

Doença de Chagas (*desde 1996): 115.931

Meningite: 79.648

Hepatite viral: 66.683

 

 

Outras doenças

 

 

Outra doença que causou milhares de mortes foi a tuberculose, que matou 208 mil pessoas no país entre 1980 e 2019, e aparece na segunda colocação, atrás do HIV.

 

 

Transmitida pelo inseto barbeiro, a doença de Chagas causa problemas cardíacos e levou à morte de 115 mil pessoas no país.

 

 

 

A gripe Influenza, uma das maiores preocupações no país, somou, entre 1980 e 2019, 15 mil óbitos —o que dá uma média anual de quase 400 óbitos. Três estados registraram números parecidos de mortes ontem —São Paulo, Rio Grande do Sul e Paraná apresentaram recordes com 679, 501 e 307 óbitos, respectivamente.

 

 

 

Melhora com vacinas

 

Com o avançar dos anos, o surgimento de vacinas, formas de prevenção e medicamentos de mais qualidade, o número de mortes por agentes infecciosos vinha caindo no país, deixando problemas como doenças cardiovasculares, câncer, agressões e acidentes como campeãs em causas de mortes.

 

 

“O Brasil, ao longo de décadas, vem passando pela transição epidemiológica em as doenças crônicas não transmissíveis superaram as doenças infecciosas. Com a Covid, voltamos ao início do século passado”,  Bernadete Perez, vice-presidente da Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva).

 

 

 

Outras doenças, como poliomielite e difteria, por exemplo, não registram mais mortes por conta da eficácia na vacinação no país, como explica Guido Levi, diretor da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações).

 

 

 

“Elas são nossa maior estratégia de saúde pública. As vacinas aumentaram em 30 anos a expectativa de vida da população nos últimos dois séculos. Foram fundamentais para a erradicação de várias doenças”, afirma.

 

 

 

Um dos casos que ele chama a atenção é o do sarampo, doença que chegou a ser erradicada do país, mas voltou no fim da década passada e, em 2019, matou 15 pessoas. O motivo do retorno é a queda da cobertura vacinal.

 

 

 

O sarampo é um vírus altamente contagioso, e a infecção causada por ele pode ter sérias consequências para a saúde, sobretudo nas crianças menores de um ano. No Brasil, a vacina contra o sarampo faz parte do calendário básico do SUS (Sistema Único de Saúde).

 

Para combater a covid, os especialistas recomendam distanciamento social, máscaras, medidas de higiene pessoal e, também, a vacinação.

 

 

 

Do UOL