Publicidade

EJA: matrículas abertas o ano todo – mas Ibaneis ignora isso

  • em



Sala superlotada e professor sobrecarregado de tarefas é a regra do governo Ibaneis. Essa regra também funciona para a Educação de Jovens e Adultos (EJA), modalidade negligenciada pelo Buriti com vistas ao desmonte total. Se no início deste ano letivo, o GDF ampliou em até 60% o número de estudantes por turma na rede pública de ensino sem qualquer diálogo com o Sinpro-DF e com o conjunto da categoria, na EJA as matrículas estão restritas a um período específico, contrariandoo Parecer 118/2014 do CEDF, homologado pela portaria nº 171 de 24 de julho de 2014.

 

 

O projeto de desmonte da EJA caminha a passos largos no Buriti. A modalidade sofreu profundamente com a pandemia: os alunos tinham que optar por sobreviver ou estudar. A evasão foi grande.

 

 

Neste período em que a pandemia começa a arrefecer, é obrigação do Governo do Distrito Federal fazer a busca ativa dos alunos, além de informar à população de maneira mais efetiva que a matrícula para a EJA está disponível em qualquer época do ano. O objetivo é (ou deveria ser) facilitar ao máximo o acesso à EJA. Mas o que se vê é a restrição com vistas ao desmonte.

 

 

A Comissão de Negociação do Sinpro se reuniu com a Secretária de Educação do Distrito Federal (SEE-DF), Hélvia Paranaguá, e com membros da pasta para tratar de questões relativas à EJA. Nos últimos meses a SEE-DF alterou o funcionamento de várias escolas que oferecem esta modalidade ao reduzir o número de turmas e estabelecer a organização de salas multietapas. Esta reorganização dificulta o trabalho pedagógico, ao mesmo tempo que pode gerar maior evasão escolar.

 

 

A SEE-DF apontou uma série de incorreções que teriam sido identificadas em visitas realizadas a diversas escolas – mas não apresentou uma estratégia organizada para garantir ao estudante e ao trabalhador acesso e permanência na escola.

 

 

A reunião entre Sinpro e SEE-DF ocorre após o Sinpro receber uma série de denúncias em todas as regionais de ensino do Distrito Federal. Dentre as queixas, o fato de várias turmas estarem sendo ofertadas na modalidade multietapa (duas séries por turma), formato que prejudica sobremaneira os estudantes.

 

 

Dentre as denúncias recebidas, a exigência de que as turmas de EJA tenham a quantidade mínima para permanecerem abertas, o que impede que estudantes tenham igualdade de condições de aprendizagem; além do fechamento constante de turmas. Essas ações da SEE-DF prejudicam o ensino edificultam o trabalho dos profissionais de educação. As decisões são tomadas sem qualquer discussão com professores, alunos e comunidade escolar.




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *