Publicidade

Dolarização dos preços dos combustíveis faz inflação disparar novamente

  • em



Combustíveis puxam a prévia da inflação para o maior índice em 20 anos. Além do impacto direto sobre o indicador, ainda há o indireto, sobre os custos da cadeia produtiva

 

 

A desordem econômica promovida pelo desgoverno Bolsonaro faz o país retroceder décadas no combate à inflação. Divulgado nesta quinta-feira (25), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) registrou alta de 1,17% em novembro. Essa variação é a maior para o mês desde 2002, quando FHC perdeu o controle sobre a carestia e o índice chegou a 2,08%. O indicador é considerado a prévia da inflação.

 

 

Embora o número seja 0,03 ponto percentual (pp) abaixo da taxa registrada em outubro (1,20%), o acumulado no ano (9,57%) chegou à fronteira dos dois dígitos, marca já batida no acumulado em 12 meses – 10,73%, acima dos 10,34% registrados no período anterior. Em novembro de 2020, a taxa havia sido de 0,81%.

 

 

Todos os nove grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta em novembro, mas a dolarização dos preços administrados pela Petrobras, mais uma vez, foi o principal “combustível” da carestia. Além dos impactos diretos dos reajustes nas refinarias, ainda há os indiretos sobre os custos de toda a cadeia produtiva nacional.

 

 

A maior variação (2,89%) e o maior impacto (0,61 pp) sobre o IPCA-15 vieram dos Transportes. Em seguida, vieram Habitação (1,06%) e Saúde e cuidados pessoais (0,80%), com impactos de 0,17 pp e 0,10 pp. Juntos, os três grupos contribuíram com 0,88 pp no índice de novembro, o equivalente a cerca de 75% do total.

 

 

O resultado dos Transportes (2,89%) foi influenciado, principalmente, pela alta nos preços da gasolina (6,62%), o maior impacto individual do mês (0,40 pp). No ano, o combustível acumula alta de 44,83% e, em 12 meses, de 48,00%. Também houve altas nos preços do óleo diesel (8,23%), do etanol (7,08%) e do gás veicular (2,59%).

 

 

Ainda em Transportes, os preços dos automóveis novos (1,92%) e usados (1,91%) seguem em alta, assim como os das motocicletas (1,26%). Outro destaque foi transportes por aplicativo (16,23%), vítimas diretas da dolarização dos preços da Petrobras, que já haviam subido 11,60% em outubro.

 

 

Sintomaticamente, no grupo Habitação (1,06%), a maior contribuição foi do gás de botijão (4,34%), cujos preços subiram pelo 18° mês consecutivo, acumulando 51,05% de alta no período iniciado em junho de 2020. Também em Habitação, a alta do gás encanado (0,88%) é consequência do reajuste de 6,90% nas tarifas no Rio de Janeiro (2,78%).

 

 

A energia elétrica (0,93%) teve variação menor que a de outubro (3,91%) e contribuiu com 0,05 pp no índice do mês. Desde setembro, está em vigor a bandeira tarifária Escassez Hídrica, que acrescenta R$ 14,20 na conta de luz a cada 100 kWh consumidos.

 

 

Todas as áreas pesquisadas apresentaram alta em novembro. A maior variação foi a de Goiânia (1,86%), com resultado puxado pela energia elétrica (10,93%) e pela gasolina (5,87%). O menor resultado ocorreu na região metropolitana de Belém (0,76%), onde houve queda nos preços da energia elétrica (-2,05%) e do açaí (-9,30%).

Problema mundial, inflação é pior na América Latina e, particularmente, no Brasil

 

 

Agência de notícias norte-americana destinada ao mercado financeiro, a Bloomberg emitiu esta semana um relatório sobre “a inflação mais alta do mundo”: a latino-americana. “Enquanto a região emerge da pior crise econômica em dois séculos, também enfrenta um cenário de baixo crescimento e inflação acelerada”, diz a matéria, apontando a inflação anual do Brasil (10,7%) como a segunda mais alta da região.

 

 

Conforme a reportagem, grandes bancos de Wall Street projetam que o custo médio de vida na América Latina encerre o ano acima de 10%, o maior índice global. Também preveem que a pressão sobre os preços ao consumidor se estenderá ao longo de 2022.

 

 

A projeção do Citigroup para a região (10,6%) é acompanhada pelo Morgan Stanley, que vê inflação acima de 10%. A mediana das projeções de economistas consultados pela Bloomberg aponta para uma inflação média de 11,9% e 10,4% neste ano e no próximo na América Latina, de longe o ritmo mais rápido do mundo.

 

 

O ciclo de arrocho monetário em que a maioria dos bancos centrais da América Latina, inclusive o do Brasil, embarcaram teve pouco efeito sobre as crescentes expectativas de preços, no entanto. Além dos gargalos no transporte marítimo global e custos mais altos das commodities, diz a matéria, outra questão específica para a região é a profecia autorrealizável das expectativas de que as coisas só vão piorar.

 

 

“Choques de oferta não são realmente algo que seja possível combater com política monetária”, explicou André Loes, economista-chefe para a América Latina do Morgan Stanley. “A América Latina tem um histórico de inflação mais longo do que a maioria, e isso causa um impacto relevante nas expectativas. As pessoas ainda lembram daqueles anos.” No Brasil de Jair Bolsonaro, “aqueles anos” foram há duas décadas.

 

 

Do PT Brasil , com informações de Imprensa IBGE

 




 

 

SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB
Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *