Bolsonaro não pode escrever o que pensa simplesmente porque não pensa nada. Diante dessa obviedade, pediu ao grande democrata Temer, aquele mesmo que terminou seu governo golpista com menos de 4% de “apoio”, para escrever por ele qualquer coisa para acalmar o STF, especialmente Alexandre Moraes, ligado a Temer.

Se o STF e a oposição burguesa engolirem essa cartinha de Bolsonaro escrita por terceiros, é porque não tem interesse genuíno de afastá-lo agora da presidência, como muita gente acha.

O descompromisso da burguesia brasileira com as questões da democracia é tão grande que pode até recuar do impeachment fingindo aceitar os termos de tal carta.

Mas se isso acontecer, se essa oposição burguesa botar realmente o galho dentro, não vai demorar para Bolsonaro voltar a agir como Bolsonaro e tentar novo golpe.

Enquanto isso a pusilanimidade de nossa burguesia se manifesta em outro golpe em gestação. Dessa vez seus autores são os defensores da chamada terceira via e o golpe seria mais uma vez contra a eleição de Lula.

Sem ter a mínimo vergonha de apresentar uma ideia tão casuisticamente desonesta, o senador Marcelo Castro, do MDB do Piauí, está propondo uma PEC para transformar o segundo turno das eleições num puxadinho do primeiro turno. Como assim? Incluindo um terceiro nome no “segundo turno”.

O argumento para essa safadeza explícita? Da forma como está o segundo turno, muitos eleitores votam em Lula para não votar em Bolsonaro, mas se tiver um terceiro candidato, quem sabe este não pode se beneficiar e assim derrotar Lula?

Diante de uma ideia tão descaradamente golpista a cartinha falsa de Bolsonaro parece até brincadeira de criança.

Val Carvalho – escritor e militante de esquerda