Publicidade

Deputado pede no MPF investigação do desbloqueio de R$ 3,5 bi do orçamento secreto

  • em



Leo de Brito (PT-AC) entra com pedido também no TCU. Já Rogério Correia (PT-MG) move ação no TSE pedindo “bloqueio total das contas de campanha” de Bolsonaro. Erika Kokay (PT-DF) denuncia o caso nas redes digitais

 

 

 

Às vésperas das eleições, governo Bolsonaro desbloqueia R$ 3,5 bilhões do orçamento secreto. O dinheiro vai alimentar redutos de aliados do presidente. Um completo absurdo! O deputado Leo de Brito (PT-AC) protocolou, na quinta-feira (15), representações no Ministério Público Federal (MPF) e no Tribunal de Contas da União (TCU) em que pede investigação do desbloqueio de R$ 3,5 bilhões em emendas do chamado “orçamento secreto”, feito pelo Ministério da Economia, a menos de três semanas das eleições.

 

 

Nas redes sociais, da deputada federal Érika Kokay (PT-DF) postou mensagem denunciando a ação. “Às vésperas das eleições, governo Bolsonaro desbloqueia R$ 3,5 bilhões do orçamento secreto. O dinheiro vai alimentar redutos de aliados do presidente. Um completo absurdo!”

 

 

O gabinete do parlamentar cita reportagem da CNN Brasil segundo a qual, além dos R$ 3,5 bilhões em emendas de relator, também foram desbloqueados R$ 2,1 bilhões em emendas de bancadas estaduais, num total de R$ 5,6 bilhões. Brito considera estranho que recursos desse montante sejam disponibilizados às vésperas do primeiro turno das votações. “Quase a metade dos recursos das emendas de relator, R$ 1,735 bilhão, será destinada a atender ações do Ministério do Desenvolvimento Regional”, diz a CNN.

 

 

“Para destravar recursos do orçamento secreto, Bolsonaro assinou, no dia 29, duas medidas provisórias que adiaram o pagamento de despesas de cultura e ciência e tecnologia para 2023 e 2024”, destaca a petição apresentada pelo deputado. Segundo reportagem de O Estado de S. Paulo em maio de 2021, “o orçamento secreto bilionário de Bolsonaro banca trator superfaturado em troca de apoio no Congresso”, entre outras despesas suspetias.

 

 

“É sabido que esse orçamento secreto se encontra em trâmite no Supremo Tribunal Federal nos autos da ADPF 854 que discute a compatibilidade dos procedimentos legislativos e executivos pertinentes às emendas do relator do projeto de lei orçamentária anual com os ideais republicanos da transparência e do controle social dos gastos públicos”, acrescenta.

 

 

A Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) mencionada foi remetida na quarta-feira (14) à Procuradoria-Geral da República, chefiada por Augusto Aras. Nesses casos, em geral, a resposta da PGR deve ser dada em cinco dias úteis. A relatora no STF é a ministra Rosa Weber, que optou por continuar como relatora do processo do orçamento secreto.

“Moeda nas negociações”

 

 

O orçamento secreto é usado como “moeda nas negociações políticas”, diz o deputado petista. Mas não apenas para fins eleitorais em 2022. Visa também as presidências da Câmara e do Senado em 2023, segundo Brito. O parlamentar pede que os órgãos tomem providências urgentes em relação aos fatos denunciados pela reportagem.

 

 

Com o desbloqueio, o governo pode empenhar os recursos para atender demandas de parlamentares às vésperas das eleições, direcionando verbas para obras e programas nas bases dos políticos.

 

 

Em outra postagem, a deputada federal Erika Kokay. Campanha de Bolsonaro declara gastos de apenas R$ 30 mil no 7 de Setembro, no Rio. Quem pagou a festa golpista de ameaça contra a democracia? Dinheiro público, empresários bolsonaristas?

 

7 de setembro

 

 

Por sua vez, o deputado federal Rogério Correia (PT-MG) ajuizou ação contra Jair Bolsonaro no Tribunal Superior Eleitoral pela utilização do 7 de Setembro com fins eleitorais.  A ação pede liminarmente “o bloqueio total das contas de campanha eleitoral do Sr. Jair Messias Bolsonaro, ora Requerido”.

 

 

Segundo a inicial do deputado, há risco pelo fato de que a campanha eleitoral do candidato à reeleição “esgotará seus recursos e não sobrará um real sequer para promover a indenização que se assevera devida”. E a urgência se comprova, argumenta, porque a eleição está muito próxima.

 

 

Kokay também lembrou, nas redes, o gasto de dinheiro público irregularmente na campanha eleitoral do 7 de setembro e questionou: “Campanha de Bolsonaro declara gastos de apenas R$ 30 mil no 7 de Setembro, no Rio. Quem pagou a festa golpista de ameaça contra a democracia? Dinheiro público, empresários bolsonaristas?”

 

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

 

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *