Publicidade

Defendida por Bolsonaro, hidroxicloroquina teve venda dobrada em 2020

  • em


Ivermectina teve salto de 70%. Remédios não tratam Covid-19

 

Apesar de terem o uso desaconselhado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) no combate à covid-19, medicamentos como a hidroxicloroquina e a ivermectina tiveram alta relevante de vendas no país em 2020, 1º ano da pandemia. Os 2 remédios –sem comprovação de eficácia contra a doença– tiveram o uso defendido pelo presidente Jair Bolsonaro.

 

O sulfato de hidroxicloroquina teve alta de 107% nas vendas no ano passado. Foram vendidas 6,38 milhões de embalagens no ano contra 3,08 milhões em 2019. Já a ivermectina teve alta de 74% no mesmo período. Foram 56,8 milhões de embalagens vendidas contra 32,65 milhões. O levantamento é do UOL com dados da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

 

Os dados incluem as embalagens de medicamento vendidas pelos laboratórios produtores, ou seja, estão contemplados os equipamentos comprados pelo governo para distribuição pelo SUS (Sistema Único de Saúde). O levantamento não inclui a produção do medicamento pelo Exército brasileiro.

 

A eficácia dos medicamentos 

A cloroquina é um remédio de uso controlado que tem efeito imunomodulador, ou seja, dá resposta imune contra determinados microorganismos. É usado contra a malária, artrite reumatoide e lúpus. A droga e a hidroxicloroquina, medicação derivada da cloroquina, já foram testadas contra o coronavírus em vários países, mas se mostraram ineficazes.

 

Já a ivermectina é um vermífugo usado para o tratamento de sarna e piolho, por exemplo. Em fevereiro, a Merck, empresa farmacêutica que produz a substância, afirmou que não há base científica para comprovar a eficácia do medicamento no tratamento da Covid-19.

 

A OMS (Organização Mundial da Saúde) reforçou no dia 1º de março uma diretriz pedindo que a hidroxicloroquina não seja usada como tratamento preventivo contra a Covid-19. A recomendação se baseia em 6 estudos clínicos com evidências de alto nível que confirmaram que o medicamento não é eficiente na prevenção contra a doença.

 

Além disso, no mesmo dia, a organização desaconselhou o uso da ivermectina por pacientes infectados pelo coronavírus. A OMS disse que as evidências sobre o uso do medicamento no tratamento da covid-19 são “inconclusivas” e que o remédio só deve ser usado dentro de estudos clínicos.

 

Na última 2ª feira (19.abr), o vice-presidente do CFM (Conselho Federal de Medicina), Donizette Giamberardino Filho, afirmou que a instituição “não recomenda e não aprova tratamento precoce e não aprova também nenhum tratamento do tipo protocolos populacionais (contra a covid-19)”.

 

Em abril de 2020 –antes da suspensão feita pela OMS– o conselho aprovou um parecer que estabelece critérios e condições para uso da cloroquina e da hidroxicloroquina para pacientes com sintomas leves, moderados e críticos de covid-19. “Esse parecer não é habeas corpus para ninguém. O médico que, tendo evidências de previsibilidade, prescrever medicamentos (off label) e isso vier a trazer malefícios porque essa prescrição foi inadequada, seja em dose ou em tempo de uso, pode responder por isso”, disse Donizette.

 

A SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia) já havia se manifestado, em janeiro, ao não recomendar o chamado tratamento precoce para a covid-19 com qualquer medicamento. Citou cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina. Segundo o órgão, “não existe comprovação científica de que esses medicamentos sejam eficazes contra a covid-19”.

Reprodução do site Poder 360

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *