Publicidade

Damares diz que denúncia de tráfico de crianças se baseou em ‘conversas com o povo na rua’

  • em



Em culto no último sábado (8), ex-ministra afirmou ter conhecimento de esquema de tráfico e abuso sexual de menores no Pará. MPF diz não ter recebido denúncias. Petição pela cassação de Damares passa de 600 mil

 

 

A ex-ministra e senadora eleita pelo Distrito Federal Damares Alves (Republicanos) disse nesta quinta-feira (13) que as denúncias de tráfico e de abuso sexual contra crianças feitas por ela durante um culto se basearam em “conversas” que tem “com o povo na rua”.

 

 

No sábado (8), durante culto na igreja Assembleia de Deus Ministério Fama, em Goiânia (GO), a ex-ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos do governo Jair Bolsonaro afirmou que crianças da Ilha de Marajó, no Pará, são traficadas para o exterior e submetidas a mutilações corporais e a regimes alimentares que facilitam abusos sexuais.

 

 

No discurso, Damares descreveu com detalhes escatológicos o que ela diz ter sido descoberto pelo governo Bolsonaro. A ex-ministra disse ainda que as denúncias estavam baseadas em imagens obtidas e guardadas pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

 

 

À Rádio Bandeirantes, ela atribuiu a fala a “coisas que chegam na ouvidoria” da pasta.

 

 

“O que eu falo no meu vídeo são as conversas que eu tenho com o povo na rua. Eu não tenho acesso, os dados são sigilosos, mas nenhuma denúncia que chegou na ouvidoria deixou de ser encaminhada”, disse, acrescentando que as informações eram repassadas ao Ministério Público.

 

 

Pouco antes, na mesma entrevista, Damares apresentou outra versão. Ela afirmou que “relatórios da CPI” da Pedofilia do Senado e inquéritos poderiam comprovar as declarações.

 

 

“Vocês querem que eu fale agora o nome da criança, o número do inquérito, o nome do delegado? Eu tenho aqui, eu estou em casa, mas tudo isso está documentado. Eu não estou inventando”, declarou.

 

 

Nos últimos dias, órgãos de segurança e investigação do Pará pediram explicações e provas ao ministério sobre as alegações feitas por Damares. O Ministério Público Federal do Pará (MPF-PA) também encaminhou pedidos de esclarecimentos.

 

 

Em nota nesta quinta, o MPF-PA destacou que, nos últimos 30 anos, “nenhuma denúncia” sobre tráfico de crianças no Marajó tinha relação com torturas e detalhes mencionados pela ex-ministra.

 

 

“O Ministério Público Federal atuou, de 2006 a 2015, em três inquéritos civis e um inquérito policial instaurados a partir de denúncias sobre supostos casos de tráfico internacional de crianças que teriam ocorrido desde 1992 no arquipélago do Marajó, no Pará. Nenhuma das denúncias mencionou nada semelhante às torturas citadas pela ex-ministra Damares Alves no último dia 8”, disse.

 

A Procuradoria ainda relembrou que segue aguardando resposta da pasta.

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *