Com uma postagem no Twitter, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) mostra, em vídeo, que o Distrito Federal deu um show de mobilização contra a reforma administrativa (PEC 32/2020). A atividade começou às 7h, desta terça-feira (14), com uma ação dos sindicalistas e servidores públicos na chamada “recepção aos parlamentares”, no Aeroporto Internacional de Brasília.

Na recepção, as lideranças sindicais e servidores públicos pediram aos deputados federais o cancelamento da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/2020, de autoria do governo Jair Bolsonaro (ex-PSL), a qual, segundo análises de especialistas e entidades, como o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Fundação Perseu Abramo, entre outros, como pesquisadores das universidades públicas, advogados, economistas, etc., essa PEC não promove uma reforma, mas sim o maior desmonte do Estado brasileiro de bem-estar social e de direito que já se ouvir falar.

Segundo notas técnicas dessas entidades mencionadas acima, a PEC da reforma administrativa do governo Bolsonaro enterra, de uma vez por todas, a Constituição Cidadã de 1988. No Plenário, a votação foi adiada. O relator, deputado Arthur Maia (DEM-BA), anunciou que está negociando mudanças em seu relatório, que está sendo discutido na comissão especial. Ele afirmou que tem conversado com deputados da oposição, da bancada da segurança pública e senadores para incorporar mudanças até esta quarta-feira (15).

O movimento contra a PEC, qwDepois, às 14, a concentração ocorreu no Espaço do Servidor, na Esplanada dos Ministérios e a manifestação ocorrem em frente ao Anexo II da Câmara dos Deputados. O presidente da CUT Brasil, Sérgio Nobre, denunciou o fato de a MP acabar com a estabilidade, o concurso público para vários cargos públicos e possibilitar a privatização generalizada dos serviços que o Estado presta à população, como saúde, educação entre outros.

O ato aconteceu enquanto a PEC nº 32, da reforma Administrativa, estava em análise na Comissão Especial da Câmara dos Deputados, em Brasília. Do lado fora da Casa Legislativa, centenas de lideranças sindicais e servidores públicos vindos de várias partes do País, além de parlamentares contrários a proposta, denunciaram, os efeitos da reforma do governo Bolsonaro.

O deputado federal Léo de Brito (PT-AC) destacou que, entre muitos prejuízos, o a reforma administrativa “acaba com o sonho de milhões de brasileiros”.

 

 

 

 

Com informações da CUT Brasil e Câmara dos Deputados