Publicidade

Cuba pode se tornar o primeiro país da América Latina a produzir sua própria vacina contra Covid-19

  • em


A mensagem, publicada pelo Finlay Vaccine Institute, em seu perfil oficial da rede social Twitter, reúne os critérios de várias organizações que reconhecem o potencial da biotecnologia cubana e, em particular, o desenvolvimento de quatro vacinas candidatas contra Covid-19

 

Candidatas à vacina CIGB. O CIGB-66 (Abdala) e o CIGB-669 (Mambisa) Foto: BioCubaFarma

 

 

“A Organização Pan-Americana da Saúde afirmou que Cuba pode se tornar o primeiro país latino-americano a produzir sua própria vacina e, uma vez concluídas as propostas, poderão beneficiar também os povos da América Latina e do Caribe”.

 

A mensagem, publicada pelo Finlay Vaccine Institute, em seu perfil oficial da rede social Twitter, reúne os critérios de diversas organizações que reconhecem o potencial da biotecnologia cubana e, em particular, o desenvolvimento de quatro vacinas candidatas contra COVID -19.

 

A este respeito, a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (ONUDI) também afirmou recentemente que “o país está um passo mais perto de produzir a primeira vacina da América Latina contra o vírus SARS-CoV-2, que causa o COVID -19».

 

Segundo informações publicadas pela agência Prensa Latina (PL), a ONUDI considerou que, em um contexto internacional marcado por disputas pela distribuição eqüitativa de vacinas e pela imunização de uns poucos, em relação aos demais, os candidatos cubanos poderiam ser uma potencial tábua de salvação. aos países em desenvolvimento.

 

Da mesma forma, diversos meios de comunicação internacionais têm reconhecido, nestes dias, o progresso da ciência cubana no enfrentamento da pandemia.

 

Um relatório da PL disse hoje que o portal Business Insider, um dos principais sites de notícias econômicas e financeiras dos Estados Unidos, destacou o andamento das propostas do Sovereign 01 e do Sovereign 02, do Finlay Institute; bem como Abdala e Mambisa, do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia.

 

“Cuba está trabalhando em um programa de vacinação anti-COVID-19 ‘caseiro’ e pretende ser um dos primeiros no mundo a imunizar toda a sua população até o final de 2021, sem a ajuda do Ocidente”, disse o artigo citado por PL.

A informação também alude a uma entrevista realizada pelo Business Insider com a professora Beate Kampmann, diretora do Centro de Vacinas da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, que afirmou que a ilha caribenha produz medicamentos seguros há anos, e há confiança em sua capacidade de apresentar candidatos contra a Covid-19.

 

Os ensaios clínicos das vacinas candidatas cubanas, em suas diferentes fases, estão progredindo de forma satisfatória, e recentemente se iniciou o processo de escalada produtiva industrial de Soberana 02 e Abdala (CIGB-66). O Dr. Vicente Vérez Bencomo, diretor do Finlay Vaccine Institute, havia informado, em uma reunião de cientistas cubanos com o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, que «escalamos o processo de conjugação de Soberana 02, e conseguimos fazer um lote de 150.000 doses que correu muito bem ”, e“ o segundo lote já está sendo produzido ”.

 

Da mesma forma, a Mestre em Ciências Rita María García, Diretora de Operações da BioCubaFarma, especificou ao Granma que os primeiros lotes fabricados em maior escala serão utilizados em breve, nos estudos clínicos de fase III de ambos os candidatos.

 

Autor:

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *