Publicidade

Crescer no Brasil faz mulheres nem perceberem que são vítimas de tantas violências, afirma ativista (vídeo)

  • em



Trinta por cento das mulheres brasileiras já foram ameaçadas de morte por seus parceiros ou por seus ex-companheiros. Uma em cada seis mulheres já enfrentou uma tentativa de feminicídio. Esses números de uma pesquisa dos institutos Patrícia Galvão e Locomotiva mostram apenas uma face das violências sofridas pelas mulheres no Brasil.

 

 

Cyntia de Lábio, líder do comitê de Combate à Violência contra a Mulher do grupo Mulheres do Brasil, o problema da violência é uma questão estrutural no país.

 

 

“O Brasil é historicamente um país machista e patriarcal, e todas as nossas relações humanas estão baseadas nesta cultura”, afirma a ativista. “E crescer em um país com esta cultura faz a gente se acostumar. Então, muitas das mulheres não percebem que estão sendo violentadas.”

 

 

Isso é resultado da normalização da violência no cotidiano. Se um grito, um xingamento, a subestimação das mulheres e mesmo um puxão de cabelo acontecem sem causar espanto, muitas mulheres acabam considerando atos assim como apenas um dia ruim.

 

 

“Quando você é uma menina e cresce em um ambiente familiar, com pai, mãe, avó, tio, se as relações familiares já são violentas, o pai bate na mãe. Os homens são pessoas imperativas, dominantes. Se o pai é o único que controla o dinheiro da casa, aquela criança cresce com esta referência. E depois quando ela vai se relacionar, ela acaba duplicando essa referência”, explica.

 

 

Cyntia De Lábio destaca que a Lei Maria da Penha garante a proteção da mulher contra cinco tipos de violência: física, sexual, moral, psicológica e financeira. “Todos esses tipos de violência podem ser denunciados. E a mulher pode pedir uma medida protetiva contra o agressor”, informa.

 

 

Para as vítimas, a chamada telefônica para a central 180 ainda é a principal referência. Esse número recebe denúncias 24 horas em qualquer parte do Brasil. As delegacias de polícia, as defensorias públicas e os CRAS (Centros de Referência de Assistência Social) também podem ser procurados em caso de violência.

 




 

 

SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB
Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *