O Brasil registrou 1.682 óbitos por Covid-19 nas últimas 24 horas. É o que diz o balanço do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), divulgado nesta quinta-feira (3). Com a atualização, o País passa a ter 469.388 vítimas do novo coronavírus desde o início da pandemia.

 

Segundo a Conass, 83.391 é o número de novos casos da doença registrados nas últimas 24h, totalizando 16.803.472.A média móvel de mortes pela Covid-19 permanece em um patamar alto. Nesta quinta-feira, segundo levantamento da CNN Brasil, a média móvel de óbitos, referentes aos últimos sete dias, está em 1.816. O pico da média móvel de mortes foi atingido em abril deste ano, quando o número chegou a 3.124.

 

O jornal informa também que, no ranking mundial, o Brasil ocupa a segunda colocação em número de mortes, atrás apenas dos EUA, e o país é a terceira nação com maior número de infectados, atrás dos EUA e da Índia, segundo dados da Universidade John Hopkins.

 

Já o consórcio de veículos de imprensa afirma que Brasil registrou 2.082 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, 400 mortes a mais do que os já subnotificados registros do Ministério da Saúde, totalizando, nesta quinta-feira (3), 469.784 óbitos desde o início da pandemia.

 

Quanto aos casos de novas infecções, nas últimas 24 horas foram confirmadas 83.415, o que totaliza, desde o começo da pandemia, 16.801.102 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus.

 

Os veículos também afirmam que a média móvel nos últimos 7 dias foi de 65.713 novos diagnósticos por dia. Isso representa uma variação de +1% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de estabilidade também nos diagnósticos.

 

Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias chegou a 1.862. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de -5% e indica tendência de estabilidade nos óbitos decorrentes do vírus e cinco estados aparecem com tendência de alta nas mortes: MS, TO, BA, PE, AC.

 

Brasil é 64º no ranking global de vacinação

 

O levantamento da CNN Brasil indica, ainda, que o Brasil desceu uma posição no ranking global de vacinação e segue em 64º nesta quinta-feira (3),em relação a cada 100 habitantes. O País, que iniciou a vacinação há pouco mais de 4 meses, já esteve na 56º lugar desse ranking e ocupava a 63ª posição nas últimas semanas.