Publicidade

Com o voto do PT, Câmara aprova MP que permite renegociação de dívidas do Fies

  • em



O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, na noite de terça-feira (17), a Medida Provisória nº 1.090/21 (MP 1090/21), que permite a renegociação de débitos junto ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) relativos a contratos formulados até o segundo semestre de 2017, momento a partir do qual o programa foi reformulado. O líder do PT, deputado Reginaldo Lopes (MG), ao encaminhar o voto favorável à renegociação do Fies afirmou que o Brasil, nestes últimos anos, não promoveu uma política adequada de financiamento estudantil. “A pandemia aumentou o desemprego e nós estamos vivendo com o menor poder econômico da série histórica do IBGE, em termos de salário dos trabalhadores e das trabalhadoras. Portanto, é importante que o governo tenha sensibilidade nas políticas públicas que possam garantir um Refis para os estudantes”, argumentou.

 

Reginaldo Lopes disse ainda que é lamentável que nesse projeto para promover política de incentivo aos jovens do poder econômico baixo, para que entrem na universidade, é muito menor do que o incentivo que se dá ao super-ricos. “Há sempre muito dinheiro para os super-ricos e pouco para a educação brasileira”, protestou.

 

O estoque de contratos até a reformulação do Fies, segundo o governo, é de 2,4 milhões, com um saldo devedor total de R$ 106,9 bilhões perante os agentes financeiros exclusivos de então (Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil). A taxa de inadimplência desses contratos em atraso de mais de 90 dias gira em torno de 48,8%, somando R$ 7,3 bilhões em prestações não pagas pelos financiados.

 

Inadimplência

 

Deputado Leo de Brito. Foto: Paulo Sergio/Câmara dos Deputados

O deputado Leo de Brito (PT-AC) explicou que a proposta trata da renegociação das dívidas referentes ao Fies dos estudantes que não têm condição de pagar uma universidade particular, “que estão ralando e estudando no dia a dia com muita dificuldade”.  Ele relembrou que esses estudantes tiveram essa oportunidade graças aos governos que tiveram a visão de dar essa oportunidade para essa juventude. “Mas ela teve sérias dificuldades de pagar e, portanto, ficou inadimplente em relação a esse financiamento estudantil”, completou.

 

Leo de Brito argumentou ainda que os estudantes brasileiros estão reivindicando a anistia desse financiamento porque a situação está difícil. “E ela se agravou ainda mais com a pandemia, com os problemas econômicos que nós vivemos no País, porque o País literalmente não tem uma condução econômica condizente. Inclusive, muitos estudantes que estão saindo das universidades hoje, com o diploma na mão, não estão tendo oportunidade de acesso a trabalho. Isso é absolutamente lamentável”.

 

Para além da renegociação da dívida, Leo de Brito destacou que houve avanço no parecer do relator, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), inclusive com previsão de anistia de praticamente 99% das dívidas em relação ao CadÚnico. “Nós estamos defendendo — e fizemos destaques neste sentido — a anistia total. Aqui nesta Casa nós já fizemos Refis e anistia para grandes empresários, para banco, para setores econômicos dos mais diversos. Quase todo ano aprovamos refinanciamentos Os nossos estudantes que estão entrando na carreira profissional merecem a anistia total das suas dívidas”, defendeu.

 

Deputada Erika Kokay. Foto: Gustavo Bezerra

Desigualdade

 

Ao defender a renegociação de débitos do Fies, a deputada Erika Kokay (PT-DF) relembrou que o programa de financiamento estudantil foi criado nos governos do PT. “Alguém aqui esqueceu que nós tínhamos por volta de 732.673 contratos em 2014 e que hoje há por volta de 100 mil? Houve uma queda de mais de 80% nos contratos com este governo, porque este governo quer naturalizar a desigualdade, não tem nenhum tipo de preocupação com que filhos e filhas de trabalhadores e trabalhadoras possam adentrar uma universidade pública — isso é coisa do Governo Lula”, afirmou.

 

Erika defendeu ainda o alongamento do prazo para as dívidas que foram feitas durante o processo de pandemia, que provocou o empobrecimento da população. “Nós queremos aumentar a abrangência da renegociação e considerar que há condições diferenciadas porque há cursos que têm valores diferenciados”, enfatizou.

 

Deputado Márcio Macêdo (PT-SE) – Foto – Paulo Sérgio – Câmara dos Deputados

Oportunidade

 

O deputado Márcio Macêdo (PT-SE) enfatizou que é fundamental para o estudante carente, para o estudante que está no Cadastro Único e no auxílio ter condição de estudar. “A educação é uma das formas verticalizadas e de ascensão dos filhos do povo. Então, esta é uma oportunidade que os filhos de pobres têm para poder estudar com dignidade”, frisou.

 

E o deputado Zé Neto (PT-BA) ao defender a importância o refinanciamento do Fies, enfatizou que o Brasil não saiu da pandemia. “Estamos saindo da pandemia e alguma coisa pode e dever ser feita, porque as sequelas deixadas por essa crise sanitária e econômica, especialmente na educação, e muito especialmente para os mais carentes, são trágicas”, afirmou e acrescentou: “O que nós queremos é que essa anistia seja ampliada e que o Fies possa ser a ferramenta para que foi criada”.

 

Deputado Zé Neto. Foto: Paulo Sergio/Câmara dos Deputados

Texto aprovado

 

A medida provisória, aprovada na forma do substitutivo do relator, alterou a renegociação de dívidas do Fies para dar um desconto maior para pessoas que estão no CadÚnico ou foram beneficiárias do auxílio emergencial. Eles terão possibilidade de dividir o debito em até 15 parcelas. Também elevou o desconto de 92% para 99%. É praticamente uma anistia para mais de 455 mil contratos, 455 mil estudantes que vão poder quitar os seus débitos, dividindo em até 15 vezes, pagando apenas 1% daquilo que foi financiado.

 

O texto aprovado, que ainda será apreciado pelo Senado, muda também regras do instituto da transação de qualquer tipo de débito, permite o uso de visitas virtuais para avaliar cursos superiores pelo Ministério da Educação e cria um parcelamento de dívidas para entidades beneficentes da área da saúde, como santas casas e hospitais filantrópicos.

 

Destaques

 

Os parlamentares também aprovaram, em plenário, destaques que mudou trechos do texto. Entre eles, um que altera a lei do Fies para permitir a seleção de estudantes com renda familiar per capita mais alta, definindo o critério de escolha segundo proporção do valor a financiar de mensalidade.

 

O outro destaque aprovado retirou do texto dispositivo que permitia ao contribuinte incluir como dívida ativa débitos ainda não inscritos para que pudesse ser celebrada a transação.

 

(*) Por Vânia Rodrigues – PT na Câmara




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *