Publicidade

Coletivo de mulheres camponesas inaugura agroindústria em Castro, nesta quinta-feira (18)

  • em



A comunidade Maria Rosa do Contestado é formada por cerca de 100 famílias e tem certificação 100% agroecológica

 

 

📷 Fotos: Valmir Fernandes/ MST-PR

 

Depois de 3 anos literalmente com a mão na massa e muito trabalho coletivo, mulheres camponesas da comunidade Maria Rosa do Contestado, de Castro, vão comemorar uma grande conquista nesta quinta-feira (18): a inauguração de uma agroindústria para produção e beneficiamento de alimentos.

 

 

Massas frescas, 14 sabores de macarrão caseiro, conservas, doces e panificação em geral serão o carro-chefe do empreendimento, que já conta com autorização da Vigilância Sanitária para funcionar. A iniciativa é organizada pelo trabalho direto de 13 mulheres, e com apoio da comunidade e de projetos de extensão da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e da Federal do Paraná (UFPR).

 

 

Rosane Mainardes, integrante da coordenação da agroindústria e moradora da comunidade, conta que a ação começou com voluntário, e agora é fonte de geração de renda: “Começamos com poucos equipamentos, poucas coisas, e com o tempo fomos conseguindo com projetos os implementos pra dar o avanço da nossa agroindústria […]. É uma conquista muito importante, porque vai gerar renda para cada companheira e para o sustento de suas famílias”.

 

 

Os produtos tem mercado certo: estarão disponíveis da rede Produtos da Terra Paraná, com venda online e em feiras de Curitiba; com o projeto de sacolas agroecológicas da Incubadora de Empreendimentos Solidários (IESol) da UEPG; com o Laboratório de Mecanização Agrícola (LAMA) da UEPG, também por meio de compras coletivas; e quando há feiras na cidade.

 

 

O sonho da comunidade é também entregar alimentos para o Programa de Alimentação Escolar (PNAE) do município, que agora já será possível pela conquista da Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP Jurídica), emitida nesta terça-feira (16). “Nosso sonho é conseguir fazer entregas para a merenda escolar do município, e ter uma renda pra que a gente não tenha que sair lá fora, e sim que a renda seja daqui mesmo, porque aqui nós somos como uma família”, garante Rosane.

 

 

A inauguração será nesta quinta-feira (18), às 15h, na comunidade.

 

 

Comunidade 100% agroecológica

 

O acampamento é formado por cerca de 100 famílias, que desde março de 2020 receberam certificação agroecológica para 100% da produção. Além de alimentos sem agrotóxicos, as famílias também comercializam sementes crioulas. Todo o processo produtivo da comunidade avançou com a criação da Cooperativa dos Trabalhadores Rurais da Reforma Agrária Maria Rosa do Contestado (Coonfran), que também tem como associados pequenos agricultores da região.

 

 

Outra grande conquista celebrada neste ano é o Cadastro de Produtor Rural (CAD-Pro) para cerca de 80% das famílias.

 

Histórico da área

 

Antes de se transformar em local de moradia e produção de alimentos para famílias Sem Terra, em 2015, o terreno era usado ilegalmente pela Fundação ABC, entidade privada formada pelas cooperativas do agronegócio Castrolanda, Batavo e Capal-Arapoti, e pelo Centro de Treinamento Pecuário (CTP), também coordenado pelas cooperativas. A área é de propriedade da União e tem 440 hectares.

 

 

Desde abril de 2014 havia um pedido de reintegração de posse por parte da União contra a Fundação, com multa diária de R$ 20 mil reais. No entanto, foram as famílias camponesas que viveram sob ameaça de despejo ao longo de dois anos.

 

 

A ação de reintegração de posse foi movida pela União em julho de 2019, com decisão favorável ao despejo por parte da 2ª Vara Federal da Comarca de Ponta Grossa, mas foi revogada no dia 30 de agosto de 2021.

 

 

Lista de produtos da agroindústria:

 

– Macarrão de açafrão; beterraba; cenoura; colorau; ervas; espinafre; ora pro nobis; couve; batata doce; misto; integral; comum natural;
– Conservas: mista: cenoura, brócolis, couve flor, ervilha; beterraba; brócolis; chuchu; couve flor; pepino; repolho; cebola, cenoura; rabanete;
– Panificação: pão caseiro; pão de fubá; broa; kukas; bolachas caseiras;
– Massas frescas para pastel e lasanha.

 

 




 

 

SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB
Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *