Publicidade

Cidadania decide apoiar Lula no 2º turno das eleições

  • em



A executiva nacional do Cidadania decidiu, na tarde desta terça-feira (4), apoiar Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno das eleições presidenciais contra Jair Bolsonaro (PL).

 

 

O partido, que é federado com o PSDB, havia integrado a coligação de Simone Tebet (MDB), que terminou a primeira rodada de votação na terceira posição, com 4,2% dos votos. Tebet também deve anunciar nos próximos dias o apoio ao petista.

 

 

Inicialmente, havia a hipótese de que os partidos que integraram a coligação de Tebet –além do MDB e da federação Cidadania-PSDB, o Podemos também fez parte– tivessem uma posição unificada sobre apoios no segundo turno. No entanto, não houve acordo e por isso as siglas decidirão em separado.

 

 

A previsão é que MDB, PSDB e Podemos declarem neutralidade.

 

 

O segundo turno da eleição presidencial vai ser disputado por Lula e Bolsonaro, que terminaram a primeira rodada de votação com 48,4% e 43,2% dos votos, respectivamente. A diferença de votos que os separou foi de quase 6 milhões.

 

 

A reunião do Cidadania contou com a participação dos 19 membros da sua executiva nacional. Apenas três foram contrários a apoiar Lula no segundo turno, defendendo a neutralidade. Nenhum advogou apoio a Jair Bolsonaro.

 

 

O presidente nacional do partido, Roberto Freire, destacou que o apoio não configura um apoio nacional ao Partido dos Trabalhadores, muito menos uma adesão a eventual governo petista –partido com o qual ele afirma não ter negociado. O apoio é pontual e tem o objetivo de fortalecer a coligação para derrotar Bolsonaro.

 

 

“[Apoiamos] por conta de riscos contra o processo democrático e o Estado democrático de Direito. Bolsonaro nesses quatro anos demonstrou sua total falta de respeito às instituições democráticas. Portanto, contra toda esse esse atropelo, contra todo o risco de retrocessos na questão democrática, nós vamos votar 13”, afirmou Freire a jornalistas, após a reunião.

 

 

O presidente da legenda argumentou que as oposições se deram por problemas regionais, cujo apoio ao petista pode atrapalhar alianças.

 

 

Freire ainda reforçou que não houve nenhuma negociação para a declaração de apoio e que, portanto, não foram apresentadas condições ao PT. O ex-deputado acrescentou ainda que foi levantada a hipótese de um “apoio crítico”, com algumas ressalvas, mas que ela foi descartada pelos membros da executiva.

 

 

“Não se dá apoio crítico, né? A crítica você vai fazer ao governo, se for oposição. Na hora do voto você vai por uma opção clara. Não é um voto dizendo que é crítico, é um voto de apoio para que vença as eleições. E é preciso ter muita clareza que precisamos vencer essas eleições para afastar de vez qualquer risco às nossas liberdades futuras”, completou.

 

 

Freire ainda destacou que a posição do Cidadania não será apenas declaratória e sim de “ativismo”.

 

 

“Olha o que eu aprendi desde o velho Partido Comunista Brasileiro é que quando adotamos uma posição nós assumimos. Claro que eu vou votar [em Lula]. Não vou integrar totalmente em termos de campanha até pelas dificuldades que nós temos do ponto de vista programático, diria até com umas discordâncias bem aprofundadas”, afirmou.

 

 

“Mas eu farei a campanha dentro do possível e o partido está integrado no processo de campanha. O nosso voto não é aqui mera declaração. Será de participação de ativismo”, completou.

 

 

PSDB e Cidadania estão atualmente federados, mas não houve acordo para tomarem uma posição conjunta. Por isso acertou-se que cada sigla estaria liberada para definir seus rumos. A perspectiva é que os tucanos declarem neutralidade, em reunião também na tarde desta terça-feira (4).

 

 

Freire era um dos defensores de uma posição conjunta de toda a coligação. Afirmou que não foi possível, em grande parte por causa de questões regionais. Citou que há partidos da própria federação PSDB-Cidadania que ainda vão disputar eleições contra petistas, por isso haveria problemas no anúncio de apoio a Lula.

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *