Publicidade

Chile elege Constituinte para renovar Constituição da época de Pinochet

  • em



Os chilenos vão às urnas neste fim de semana para escolher os 155 membros da Assembleia Constituinte, que deverão redigir a nova Constituição do país.

 

Os chilenos vão às urnas amanhã (15) e no domingo (16) para escolher os 155 membros da Assembleia Constituinte, que deverão redigir a nova Constituição do país.

 

As eleições são as primeiras desde a onda de protestos de 2019. Em meio a uma crise política, social e institucional que se soma à crise sanitária e econômica, os chilenos substituirão a Constituição de Augusto Pinochet.

 

O corpo de parlamentares que redigirá a nova Carta será igual entre homens e mulheres, sendo que  haverá 17 cadeiras reservadas para os povos indígenas,  escreve o jornal La Nación.

 

Ativistas indígenas mapuches levantam seus bastões durante manifestação para exigir justiça a presos indígenas Mapuche, bem como por seus direitos indígenas e terras para suas comunidades em Santiago, Chile (foto de arquivo)
Ativistas indígenas mapuches levantam seus bastões durante manifestação para exigir justiça a presos indígenas Mapuche, bem como por seus direitos indígenas e terras para suas comunidades em Santiago, Chile (foto de arquivo) © REUTERS / IVAN ALVARADO

 

Embora as datas das eleições  tenham sido alteradas duas vezes devido à pandemia, em outubro passado foi realizado o plebiscito, onde oito em cada dez chilenos apoiaram a mudança da Constituição.

O atual texto foi elaborado em 1980 durante a ditadura militar de Pinochet, mas sofreu 50 modificações, tanto no fim da ditadura (1989), quanto no governo de Ricardo Lagos (2005). Porém, em suas quatro décadas de vida, o texto não alcançou legitimidade nem se tornou um elemento unificador entre os chilenos.

 

Uma das principais mudanças  na Constituição deverá ser a ampliação do papel do Estado na maior provisão de serviços como saúde e educação.

 

A força da nova Constituição que o Chile inaugura dependerá da correlação de forças que for eleita na votação deste fim de semana. A convenção discutirá seu regime político e sistema de governo, pois há consenso de que o presidencialismo chileno apresentou deficiências com as revoltas de outubro de 2019.

 

Além disso, a nova Carta pretende reescrever temas como a descentralização e a regionalização, formando um estado mais centralizado em sua capital, Santiago.

 

Dos 1.268 candidatos à convenção, 68% não atuam em nenhum partido. A participação é uma grande incógnita, em um país com alta abstenção e voto voluntário. O plebiscito de outubro passado atraiu 51% dos eleitores, um pouco acima das últimas eleições.

 

Manifestación en Santiago, Chile
Manifestación en Santiago, Chile © FOTO / FRANCISCO BRAVO ATIAS

Reprodução do site Sputnik Brasil

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *