Publicidade

Centrais sindicais apoiam a pauta e a greve dos caminhoneiros

  • em



Em Nota Pública, centrais sindicais informam que lideranças de caminhoneiros autônomos convocam paralisação para o dia 1º de novembro

 

 

As centrais sindicais divulgaram, nesta quinta-feira (28), uma nota pública conjunta de apoio à greve, à mobilização nacional e à pauta de reivindicações dos caminhoneiros autônomos.

 

A greve está prevista para iniciar no dia 1º de novembro. Um dos pontos da pauta é a redução do preço do diesel e a revisão da política de preços da Petrobrás. De acordo com a nota, a pauta dos caminhoneiros interessa a todas as classes sociais e toda a classe trabalhadora.

 

Por meio das suas entidades sindicais, os caminhoneiros têm lutado para viabilizar demandas e propostas, porém não têm tido retorno porque o governo Bolsonaro, segundo eles, ignora suas reivindicações. “Não só não há retorno, como também os problemas têm se agravado”, informam.

 

A inflação, por exemplo, segundo eles, afeta toda a cadeia produtiva porque se reflete na alta dos preços da energia elétrica e dos combustíveis. O movimento denuncia o fato de essa alta de preços ser de inteira responsabilidade da má-gestão neoliberal do governo Jair Bolsonaro.

 

Em 2021, só a gasolina já acumula 74% de aumento e, o diesel, 65%. Os preços elevados enseja a carestia, como o preço de vários tipos de alimentos. No caso do botijão de gás, a culpa e da política de preços adotada desde 2017, após o governo Michel Temer (MDB) sancionar a lei originada do PLS 131/2015, de autoria do senador José Serra  (PSDB), que retirou a Petrobrás da exclusividade na exploração do pré-sal em território brasileiro.

Desde então, a política de preços é a mesma, aprofundada pelo governo também neoliberal de Jair Bolsonaro, o que resulta no aumento do gás para mais de R$ 130,00. A inflação anual já passou dos 10%.

 

Assinam o documento a CUT (Central Única dos Trabalhadores); a Força Sindical; a UGT (União Geral dos Trabalhadores); a CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil); a NCST (Nova Central Sindical de Trabalhadores); a CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros); a CSP-Conlutas; a Intersindical (Central da Classe Trabalhadora); a Pública (Central do Servidor) e a Intersindical Instrumento de Luta.

 

Clique aqui para ler a nota na íntegra

 

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB
Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *