Publicidade

Cármen Lúcia pediu para Jungmann não soltar Lula, revelam diálogos da Operação Spoofing

  • em


Segundo mensagens de Deltan Dallagnol, além de falar com o ex-ministro da Justiça, a ministra do STF também teria orientado os desembargadores do TRF-4 Gebran Neto e Thompson Flores a não cumprirem ordem de soltura do ex-presidente Lula

 

Novos diálogos revelados pela Operação Spoofing mostram que a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia ligou para o ex-ministro da Justiça, Raul Jungmann, e pediu para que ele descumprisse a ordem de soltura do ex-presidente Lula, expedida pelo desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em julho de 2018.

 

Na ocasião, Favreto deferiu liminar determinando a soltura do ex-presidente Lula a partir de um Habeas Corpus ajuizado pelos deputados do PT Wadih Damous, Paulo Pimenta e Paulo Teixeira. Hoje, como bem sabemos, o domingo do dia 8 de julho viveu sob a tensão se a ordem seria acatada ou não pela Polícia Federal, que fica sob comando do Ministério da Justiça, à época comandado por Jungmann.

 

As novas conversas do ex-coordenador da Operação Lava Jato, Deltan Dallgnol, revelam o bastidor do prende-solta do ex-presidente Lula e a interferência do STF, por meio da ministra Cármen Lúcia, para que a ordem emitida pelo desembargador Favreto não fosse obedecida.

 

Logo após a decisão de Favreto, Moro soltou um despacho onde afirmava que não iria cumprir a decisão porque o “desembargador não tem competência para determinar a soltura do ex-presidente Lula”.

 

No mesmo documento, Moro afirma ter sido instruído pelo presidente do TRF-4, desembargador Thompson Flores – que aparece nas mensagens de Deltan – a não obedecer a decisão de seu superior antes de consultar o relator da ação penal de Lula na Corte, no caso, João Pedro Gebran Neto, que também aparece nas mensagens de Deltan, ex-coordenador da Operação Lava Jato, como um aliado.

 

Tanto Thompson Flores quanto Gebran Neto são citados nas mensagens de Deltan afirmando que eles não iriam cumprir a decisão. Além disso, Dallagnol diz que a ministra “Cármen Lúcia ligou para Jungmann e mandou não cumprir e que teria falado também com Thompson”.

 

Ou seja, a partir das mensagens de Deltan Dallgnol, revela-se que, no bastidor do prende-solta de Lula no domingo de 8 de julho, a ministra do STF entrou em cena pessoalmente para impedir a soltura do ex-presidente.

 

Após saber da intervenção de Cármen Lúcia, o procurador Deltan Dallgnol comemorou e disse que o “cenário está bom”.

 

Abaixo, segue a conversa anexada em nova petição da defesa do ex-presidente Lula encaminhada ao STF:

 

18:13:50 Deltan Valeixo falou com Thompson que mandou não cumprir até
ele decidir


• 18:13:58 Deltan Isso nos dá mais tempo


• 18:14:18 Deltan PGR vai apresentar cautelar de 2p para Laurita ainda hoje


• 18:14:35 Deltan Carmem Lúcia ligou pra Jungman e mandou não cumprir e
teria falado tb com Thompson


• 18:14:39 Deltan Cenário tá bom

Reproduzida do site da Revista Fórum

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *