Publicidade

Brasil lidera assassinatos: transexuais vivem, em média, 35 anos, diz estudo

  • em



Segundo relatório da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), 175 pessoas transexuais foram assassinadas no Brasil no ano passado

 

 

Um novo relatório da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), organização que desde 2017 monitora denúncias de violência contra pessoas trans no Brasil, foi publicado nesta semana e traz a terrível marca de 80 assassinatos de transexuais apenas no primeiro semestre de 2021.

 

 

Em 2020, segundo a organização, o país bateu o recorde em número de assassinatos contra essa parcela da população, com 175 mortes violentas. O relatório mostra ainda que a idade das vítimas também diminuiu de 17 para 13 anos e a estimativa média de vida de uma pessoa trans hoje é de 35 anos.

 

 

Em junho deste ano, Victor Madrigal, especialista independente da ONU em proteção contra violência e discriminação com base na orientação sexual e identidade de gênero, gravou uma mensagem em vídeo para a Câmara dos Deputados, chamando a atenção para o fato de que o Brasil lidera o ranking de assassinatos de pessoas trans em números absolutos no mundo.

 

 

 

“O país, infelizmente, ainda lidera o ranking mundial de assassinatos de pessoas trans em números absolutos, e dentro dessas fatalidades, observamos que cerca de 80% das vítimas eram negras. Sabemos que garantir uma legislação inclusiva, que proíba a discriminação, é o primeiro passo. Mas, para além disso, é necessário estabelecer políticas públicas que se dirijam ao enfrentamento dessa situação. Durante muito tempo, as instituições sociais contribuíram para perpetuar uma ideia equivocada de que as pessoas LGBTI+ são de alguma forma inferiores ou causam algum dano à sociedade. Exatamente porque o estigma contra essas pessoas está tão arraigado na sociedade. É preciso ir além da proibição legal e adotar iniciativas que busquem ativamente reeducar e conscientizar a população geral para transformar a percepção danosa e equivocada de que pessoas LGBTI+ são imorais, criminosas ou doentes. (…) A função primordial de uma nação deve ser proteger e proporcionar o bem-estar social de todos os cidadãos independentemente de sua orientação sexual e/ou identidade de gênero”.

 

 

Acesse a matéria no completa no site de origem 

 

 

 

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB
Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *