Publicidade

Boris Johnson deixa o cargo de primeiro-ministro do Reino Unido, arrastado por escândalos

  • em



 Assolado pelo escândalo Boris Johnson anunciou nesta quinta-feira que deixará o cargo de primeiro-ministro britânico depois de perder dramaticamente o apoio de seus ministros e da maioria dos parlamentares conservadores, mas disse que permanecerá no cargo até que seu sucessor seja escolhido.

Cedendo ao inevitável quando mais de 50 ministros se demitiram e legisladores disseram que ele deveria ir, um isolado e impotente Johnson disse que estava claro que seu partido queria outra pessoa no comando, mas que sua saída forçada foi “excêntrica”.

“Hoje nomeei um gabinete para servir, como farei, até que um novo líder esteja no cargo”, disse Johnson do lado de fora de seu escritório em Downing Street, onde seu discurso foi assistido por aliados próximos e sua esposa Carrie.

“Sei que haverá muitas pessoas que ficarão aliviadas e talvez algumas que também ficarão desapontadas. E quero que você saiba como estou triste por estar desistindo do melhor emprego do mundo. ele acrescentou, sem se desculpar pelos eventos que forçaram seu anúncio.

Houve vivas e aplausos quando ele começou seu discurso, enquanto vaias ecoaram de alguns do lado de fora dos portões de Downing Street.

Depois de dias lutando por seu emprego, Johnson foi abandonado por todos, exceto por um punhado de seus aliados mais próximos, depois que o mais recente de uma série de escândalos minou sua disposição de apoiá-lo.

“Foi um discurso de demissão curto e bizarro que não mencionou a palavra demissão ou demissão uma vez. Não houve pedido de desculpas, nem contrição”, disse o legislador conservador Andrew Bridgen. “Não houve desculpas pela crise que suas ações fizeram com que nosso governo, nossa democracia, passasse.”

Depois de dias lutando por seu emprego, Johnson foi abandonado por todos, exceto por um punhado de seus aliados mais próximos, depois que o mais recente de uma série de escândalos minou sua disposição de apoiá-lo.

“Foi um discurso de demissão curto e bizarro que não mencionou a palavra demissão ou demissão uma vez. Não houve pedido de desculpas, nem contrição”, disse o legislador conservador Andrew Bridgen. “Não houve desculpas pela crise que suas ações fizeram com que nosso governo, nossa democracia, passasse.”

Os conservadores agora terão que eleger um novo líder, um processo que pode levar semanas ou meses, com detalhes a serem anunciados na próxima semana. consulte Mais informação

Uma pesquisa instantânea do YouGov descobriu que o ministro da Defesa Ben Wallace era o favorito entre os membros do Partido Conservador para substituir Johnson, seguido pelo ministro do Comércio Penny Mordaunt e o ex-ministro das Finanças Rishi Sunak.

Enquanto Johnson disse que permaneceria, opositores e muitos em seu próprio partido disseram que ele deveria sair imediatamente e entregar a seu vice, Dominic Raab. O ex-primeiro-ministro conservador John Major disse que era “insensato e talvez insustentável” permanecer no cargo quando ainda podia exercer seus poderes.

“Para o bem-estar geral do país, Johnson não deve permanecer em Downing Street – quando não puder conquistar a confiança da Câmara dos Comuns – por mais tempo do que o necessário para efetuar a transição suave do governo”, disse Major em um comunicado. carta divulgada à mídia.

Keir Starmer, líder do principal partido de oposição, o Partido Trabalhista, disse que convocaria um voto de confiança parlamentar se os conservadores não removessem Johnson imediatamente. consulte Mais informação

Crise de custo de vida

A crise ocorre quando os britânicos enfrentam o aperto mais apertado em suas finanças em décadas, após a pandemia do COVID-19, com inflação crescente e a economia prevista para ser a mais fraca entre as principais nações em 2023, além da Rússia.

Também segue anos de divisão interna desencadeada pela estreita votação de 2016 para deixar a União Europeia e ameaças à constituição do próprio Reino Unido com demandas por outro referendo de independência da Escócia, o segundo em uma década.

O apoio a Johnson evaporou durante uma das 24 horas mais turbulentas da história política britânica recente, sintetizada pelo ministro das Finanças, Nadhim Zahawi, que só foi nomeado para o cargo na terça-feira, pedindo a renúncia de seu chefe.

Zahawi e outros ministros do gabinete foram a Downing Street na noite de quarta-feira, juntamente com um representante sênior dos legisladores que não estão no governo, para dizer a Johnson que o jogo acabou.

Mas, na manhã de quinta-feira, com uma série de demissões – incluindo a de Michelle Donelan, que ele só nomeou secretária de Educação na noite de terça-feira – ficou claro que sua posição era insustentável.

“Você deve fazer a coisa certa e ir agora”, tuitou Zahawi.

Alguns dos que permaneceram no cargo, incluindo Wallace, disseram que o faziam apenas porque tinham a obrigação de manter o país seguro.

Assim que ficou claro que ele estava desistindo, Johnson começou a nomear ministros para cargos vagos.

“É nosso dever agora garantir que o povo deste país tenha um governo em funcionamento”, disse Michael Ellis, ministro do Gabinete do Gabinete que supervisiona o funcionamento do governo, ao parlamento.

Do popular ao deserto

O entusiasmado Johnson chegou ao poder há quase três anos, prometendo entregar o Brexit e resgatá-lo da amarga disputa que se seguiu ao referendo de 2016. Ele minimizou as preocupações de alguns de que seu narcisismo, falha em lidar com detalhes e uma reputação de engano significavam que ele era inadequado.

Alguns conservadores apoiaram com entusiasmo o ex-jornalista e prefeito de Londres, enquanto outros, apesar das reservas, o apoiaram porque ele conseguiu apelar para partes do eleitorado que geralmente rejeitavam seu partido.

Isso foi confirmado nas eleições de dezembro de 2019. Mas a abordagem combativa e muitas vezes caótica de seu governo em relação ao governo e uma série de escândalos esgotaram a boa vontade de muitos de seus legisladores, enquanto pesquisas de opinião mostram que ele não é mais popular entre o público em geral.

A recente crise eclodiu depois que o legislador Chris Pincher, que ocupou um cargo no governo envolvido no cuidado pastoral, foi forçado a se demitir por acusações de ter apalpado homens em um clube privado.

Johnson teve que se desculpar depois que foi informado que Pincher havia sido alvo de queixas anteriores de má conduta sexual antes de nomeá-lo. O primeiro-ministro disse que tinha esquecido.

Isso seguiu-se a meses de escândalos e erros, incluindo um relatório condenatório sobre festas embriagadas em sua residência e escritório em Downing Street que violaram as regras de bloqueio do COVID-19 e o levaram a ser multado pela polícia em uma reunião em seu aniversário de 56 anos.

Também houve reviravoltas políticas, uma defesa malfadada de um legislador que quebrou as regras de lobby e críticas de que ele não fez o suficiente para enfrentar a crise do custo de vida, com muitos britânicos lutando para lidar com o aumento do combustível e preços dos alimentos.

Em seu discurso de renúncia, Johnson destacou seus sucessos – desde a conclusão do Brexit até a supervisão do lançamento mais rápido da vacina COVID-19 na Europa. Mas ele disse que suas tentativas de persuadir colegas de que a mudança de líder enquanto havia guerra na Ucrânia e o governo estava cumprindo sua agenda falharam.

“Lamento não ter sido bem-sucedido nesses argumentos. E, claro, é doloroso não poder ver tantas ideias e projetos sozinho”, disse ele.

“Mas, como vimos em Westminster, o instinto de rebanho é poderoso – quando o rebanho se move, ele se move e, meus amigos, na política ninguém é remotamente indispensável”.

Foto da capa: O primeiro-ministro britânico Boris Johnson faz uma declaração em Downing Street, em Londres, Grã-Bretanha, em 7 de julho de 2022. REUTERS/Peter Nicholls




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *