Bolsonaro também voltou a atacar os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, ambos do Supremo Tribunal Federal (STF), e demonstrou preocupação de ser preso

 

Jair Bolsonaro voltou a convocar para os atos golpistas para o dia 7 de setembro, mas tentou dizer que as manifestações terão como pauta a “liberdade de expressão” e a defesa do voto impresso.

Na entrevista a uma rádio de Goiás, Bolsonaro também voltou a atacar ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, ambos do Supremo Tribunal Federal (STF), e demonstrou preocupação de ser preso.

“Essa [manifestação] agora, a grande pauta vai ser a liberdade de expressão. Não pode uma pessoa do STF e uma do TSE se arvorarem agora como as donas do mundo e que tudo decidem no tocante a esse ponto, liberdade de expressão”, disse Bolsonaro, afirmando que o inquérito aberto no Supremo para investigar atos antidemocráticos tem como objetivo aplicar-lhe uma “sanção restritiva” no futuro, caso ele não seja reeleito.

“Que inquérito é esse ai? É para aguardar o momento para me aplicar uma sanção restritiva para quem sabe quando eu deixar o governo, lá na frente”, afirmou Bolsonaro.

Bolsonaro fez ainda referência às prisões, por ordem do STF, do deputado bolsonarista Daniel Silveira (PSL-RJ) e do presidente do PTB, o ex-deputado Roberto Jefferson.

“Não podemos admitir um deputado federal preso, não interessa o que ele falou, bem como jornalista preso e presidente de partido preso também. Não justifica isso daí”, declarou.

Em outro trecho, ele reforçou o chamamento para as manifestações ao dizer que a “nossa liberdade está sendo ameaçada novamente”.

“Dia 7 [de setembro] é uma data marcante para todos nós. É a nossa independência que está completando 199 anos. Agora, a nossa liberdade está sendo ameaça novamente por parte de um ou dois aqui de Brasília. Nós não podemos nos submeter a um ou dois. Isso não é uma ditadura”, disse.

Texto reproduzido do site 247

Assistam também o vídeo do site 247 sobre os banqueiros desembarcando do governo Bolsonaro: