Publicidade

Bolsonaro cancela medalhas de ‘Mérito Científico’ dadas a médicos perseguidos por seus apoiadores

  • em



O presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL/União Brasil) recuou e retirou, nesta sexta-feira (5) condecorações da Ordem Nacional do Mérito Científico dadas a dois médicos alvos de apoiadores ultraliberais, negacionistas, negocionistas, fascistas, perseguidores e fundamentalistas do governo federal.

 

Em decreto publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU), Bolsonaro anulou a admissão na classe de “comendador” por conhecimentos sobre ciências da saúde de Marcus Vinícius Guimarães Lacerda, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e de Adele Schwartz Benzaken, diretora da Fiocruz Amazônia.

 

Lacerda coordenou estudo no Amazonas que, em 2020, não viu benefícios no uso de cloroquina em pacientes graves da covid-19

 

 

Adele Schwartz Benzaken, diretora da Fiocruz Amazônia

 

Lacerda coordenou estudo no Amazonas que, em abril de 2020, não viu benefícios no uso de doses altas de cloroquina em pacientes graves da covid-19. Ele tornou-se alvo de ameaças de morte e ofensas pessoais em redes sociais por parte de apoiadores do presidente.

 

Já Benzaken foi demitida em janeiro de 2019, no começo da gestão Bolsonaro, da direção do departamento do Ministério da Saúde que elaborava políticas para prevenção, vigilância e controle de infecções sexualmente transmissíveis. A saída do cargo teria relação com uma cartilha voltada para a saúde do homem trans.

 

Apesar de terem sido alvos da ira de apoiadores bolsonaristas, os médicos haviam recebido a condecoração por decreto publicado ontem e assinado pelo presidente. Neste texto, o próprio Bolsonaro recebeu condecoração na classe Grã-Cruz.

 

O presidente manteve todas as outras condecorações dadas por este decreto a pesquisadores, entidades e membros do governo.

 

Bolsonaro recebeu a honraria, porém, porque as regras sobre a Ordem Nacinal do Mérito Científico estabelecem que serão agraciados com na classe “Grã-Cruz” o presidente da República, o ministro das Relações Exteriores, entre outros nomes. O presidente apostou na distribuição de medicamentos sem eficácia como resposta do governo à covid-19. Ele e seus apoiadores já criticaram o estudo conduzido por Lacerda.

 

Em pleno colapso do sistema de saúde em Manaus, o presidente chegou a dizer que foi preciso intervir na região porque não se fazia o “tratamento precoce” contra a covid-19.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *