Ao menos nove estados registraram interdições

O presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) afirmou, nesta quinta-feira (9), que a paralisação dos caminhoneiros será mantida até domingo (12/9). Na live de quinta, Bolsonaro destacou as consequências que a greve traz para a economia do País, mas disse que o movimento “é um direito dos caminhoneiros”.

“Estive, hoje à tarde, com 12 pessoas. A maioria caminhoneiros. Vieram falar o que fazer. Eu falei: ‘Olha, para mim, vocês já fizeram uma coisa fantástica’. Ajudaram nesse movimento. Falaram [caminhoneiros] que vão manter o movimento até domingo, é um direito deles”, disse o presidente em uma transmissão ao vivo na internet.

Apesar de Bolsonaro reiterar que o movimento foi organizado sem influência política, o próprio movimento está em curso com uma pauta política. O presidente disse ter alertado os participantes sobre as consequência da paralisação.

“Vão suspender depois de domingo, não influencio nisso. Fui bem claro: se passar de domingo, ir para segunda, terça, a gente começa a ter problema seríssimo de abastecimento, aumenta a inflação, influencia a economia. Foi fantástico o que eles fizeram, por livre e espontânea vontade, gastando dinheiro do próprio bolso, o recado que eles deram é que nós devemos respeitar a Constituição”, disse.

Os bloqueios de caminhoneiros em rodovias foram totalmente controlados, segundo boletim enviado pelo Ministério da Infraestrutura às 14h30 desta quinta-feira (9), com base em informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Segundo a pasta, ainda há pontos de concentração em rodovias federais de 13 estados

Mais cedo, ao menos nove estados registravam interdições e 15 tinham manifestações. Segundo a pasta, as tentativas de bloqueio foram reduzidas em cerca de 35% no início desta tarde.

Com CNN