Publicidade

Bará do Mercado agora é patrimônio histórico cultural de Porto Alegre

  • em


É o que prevê o Projeto de Lei aprovado por 28 votos favoráveis e dois contrários na Câmara de Vereadores. A proposta é de autoria do vereador Adeli Sell (PT) acrescida de mais uma emenda. Agora o Bará do Mercado Público é patrimônio histórico-cultural de Porto Alegre.

 

“O Mercado Público não é só um espaço restrito ao comércio, ele também tem grande relevância para as religiões de matriz africana. Essa importância se explica pelo fato de que no centro do edifício do Mercado, está assentado o Orixá Bará, que dentro do panteão africano é a entidade que abre caminhos, o guardião das casas e cidades e representa o trabalho e a fartura”, explica Sell.

 

Histórico do projeto

 

A preocupação com o tombamento surgiu principalmente a partir do projeto de concessão do Mercado Público para a iniciativa privada, criado na gestão do prefeito Nelson Marchezan (PSDB). O que abriria a possibilidade de obras, reformas e restaurações. Ou seja, sem muita garantia para a preservação do Bará. Desta forma, a Associação Independente em Defesa das Religiões Africanas Afro Brasileiras pediu o apoio de Adeli Sell para a preservação do patrimônio.

 

Adeli enfatiza que na minuta do edital da prefeitura não aparece nenhum tipo de proibição sobre modificação ou alteração do espaço central. “Inclusive há indícios de interesse na construção de um estacionamento subterrâneo, localizado no subterrâneo abaixo do Mercado Público”, acrescenta.

 

São conhecidas duas versões sobre o Bará do Mercado, segundo a matéria aprovada. “A primeira conta que o Bará teria sido assentado (assentar significa fixar o orixá em determinado objeto por meio de práticas rituais específicas pelos próprios negros que construíram o Mercado). Prática muito comum na África quando da construção dos seus mercados, já que o orixá representa a fartura e abastança. A outra versão conta que a ideia de afixar o Bará partiu do próprio Príncipe Custódio. Quando na capital trouxe cultos da África, e, como grande líder religioso, decidiu fazer o assentamento dos orixás em Porto Alegre”. O Projeto de Lei foi aprovado na Câmara Municipal de Porto Alegre, no dia 17 de dezembro.

 

Mosaico preserva o local onde está assentado o Bará no Mercado Público
Foto: Divulgação/Gabinete Vereador Adeli Sell

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *