Publicidade

Bancários lançam campanha contra a privatização de estatais gaúchas

  • em



“Por que eles não querem que a população gaúcha decida sobre as privatizações?” Esse é mote da campanha lançada, nesta sexta-feira (9), pela Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro do Rio Grande do Sul (Fetrafi-RS) e o Sindicato dos Bancários de Porto Alegre (SindBancários) contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 280, debatida na Assembleia Legislativa, que retira a obrigatoriedade da realização de plebiscito para a venda das Companhias de Saneamento (Corsan), de Processamento de Dados (Procergs) e do Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul).

 

Os bancários pressionam os deputados estaduais favoráveis a essa proposta para que revejam sua posição. Destacam a importância estratégica dessas companhias para o desenvolvimento do Estado.

 

“O governador Eduardo Leite se elegeu prometendo na campanha que não venderia a Corsan e o Banrisul. Ele não honrou com a palavra, mentiu”, enfatizou o diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-RS) e do SindBancários, Mauro Salles. Destacou ainda “por que tirar da população o direito de decidir? Nosso lema é Plebiscito: Para vender, tem que fazer”.

 

 

A  PEC 280/19 reapareceu para ser apreciada pelo Parlamento, por pressão do governo Leite, que anunciou a venda da Corsan no dia 18 de março.Ela tramita com bastante agilidade na Assembleia Legislativa. E já foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). O deputado Edegar Pretto (PT) apresentou parecer contrário à venda da Corsan, na Comissão de Segurança e Serviços Públicos no dia 1º de abril e se opõe à Proposta de Emenda Constitucional (PEC). Nos últimos quatro anos, a Corsan apresentou lucro de R$1,2 bilhão”, segundo o Sindiágua.

 

 

 

Vários materiais serão usados na campanha para esclarecer a população em vídeos para TV, internet, spots de rádio, cards para as redes sociais, outdoors e outras peças publicitárias. Confira o vídeo a seguir:

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *