Publicidade

Artigo | Cultura e Comunicação na Era Vargas

  • em



A Era Vargas foi repleta de iniciativas construtivas no campo da comunicação e da cultura, mas o capital da notícia transformou iniciativas grandiosas e necessárias em apenas “populismo de um ditador”

 

“Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a resistência”. Getúlio Vargas, Carta Testamento

 

 

“Maestro, eu venho lhe convocar para promover a educação musical da juventude brasileira”, Foram estas as palavras do Presidente Getúlio Vargas, na lata, quando procurou Heitor Villa-Lobos, para que ele cumprisse aquela missão eivada de grande estratégia e soberania cultural. Este relato vem da esposa do maior Maestro das Américas, Dona Mindinha, acrescentando.

 

 

“Getúlio nem perguntou se Villa Lobos o apoiava politicamente, que pensamento tinha de seu governo. Simplesmente lhe propôs uma tarefa”, informou. Uma tarefa do tamanho do Brasil, dizemos nós nesta Semana Getúlio Vargas organizada, com responsabilidade histórica pela AEPET (Associação dos Engenheiros da Petrobras), uma ferramenta desenvolvimentista também criada sob a mirada histórica de Getúlio Vargas.

 

 

Ainda se escuta pelas paredes e pelas alcovas, pelas torres e pelos porões, o estampido trágico daquele tiro no coração Pátria, naquela manhã em 24 de agosto de 1954, que fez o Brasil desfazer-se em torrente de lágrimas e indignação, em pranto e dor, após a Rádio Nacional dar a leitura do mais importante documento político de sua história: a Carta Testamento de Getúlio Vargas. As aves de rapina que apertaram aquele gatilho, por anos se esmeram em usar suas armas de destruição em massa de consciências e da verdade: a verdade é escrita pelos vencedores, pouco importa sua sordidez criminal. Mas, isso não impediu a AEPET de nos convocar para buscar a verdade oculta sob a torrente de mentiras que filmes, séries televisivas, teses acadêmicas, livros, peças teatrais e um jornalismo apátrida e hegemônico, ainda que o trabalho de recompor e revelar a verdade seja hercúleo diante do poderio dos que “não querem que os trabalhadores sejam livres”, como grafou Getúlio naquela Carta Testamento, com o seu próprio sangue.

 

 

Multiplicar Escolas, Livros e Bibliotecas

 

 

A Era Vargas foi repleta de iniciativas construtivas no campo da comunicação e da cultura, mas o capital da notícia transformou iniciativas grandiosas e necessárias em apenas “populismo de um ditador”. As ações de Getúlio na cultura começam com a própria criação, no primeiro mês de governo, vitoriosa a Revolução de 1930, do Ministério da Educação, acompanhado do Ministério do Trabalho. Trabalho e educação era um binômio claro e imprescindível para mudar a face de um país agrária, semicolonial, atrasado e inculto. A partir daí registram-se a construção de escolas públicas e gratuitas e a inclusão em massa de crianças na atividade escolar, acompanhada de merenda. Em 1932, surge o Manifesto dos Pioneiros por uma Escola Nova. Reivindicavam-se ensino público laico (desvinculado da educação religiosa) a gratuidade, a obrigatoriedade e a co-educação – meninos e meninas estudando no mesmo ambiente escolar ”, conta a historiadora Maria Luiza Marcílio em seu livro “História da Escola em São Paulo e no Brasil”

 

 

O Manifesto defendia ainda: educação como uma função essencialmente pública; a escola deve ser única e comum, sem privilégios econômicos de uma minoria; todos os professores devem ter formação universitária; o ensino deve ser laico, gratuito e obrigatório. A decisão do governo Vargas provocou irascível reação conservadora da Igreja Católica que, desde o Brasil Colônia, fora responsável pela Pedagogia Colonial que adestrou gerações à obediência sem consciência, ao mecanicismo anti dialético e enaltecedor dos valores mais retrógados na educação e na cultura. A Era Vargas promoveu a ruptura com o passado do Brasil Arcaico para leva-lo à industrialização combinada com a expansão de direitos. O voto secreto e o direito ao voto feminino eram, também, rupturas culturais com a sub cidadania das mulheres e o constrangedor e oligárquico voto a Bico de Pena, negação da democracia política, que passam assim, a serem convocadas pela Era Vargas a um protagonismo crescente na vida do país.

 

 

O Instituto Nacional do Livro

 

 

Não se faz educação e escolas sem empreender a leitura e livros, para o quê a Era Vargas criou o Instituto Nacional do Livro, por meio do qual o Estado multiplica a editoração de livros num país marcado por horrendo analfabetismo. Os filhos daquela geração analfabeta, já não mais seriam condenados a repetir e a ratificar a ignorância. A multiplicação de escolas, das matrículas e da produção de livros indicava um novo rumo para o país. Suas atribuições seriam, porém, ampliadas, como o demonstram as três seções em que se dividiu: Seção da Enciclopédia e do Dicionário Responsável pela organização e publicação da Enciclopédia Brasileira e do Dicionário da Língua Nacional. Seção das Publicações. Responsável pela “edição de obras raras ou preciosas”, de interesse para a formação cultural do povo brasileiro. Esta seção tinha ainda como atribuição adotar medidas necessárias ao aumento, melhoria e barateamento das edições de livros no país, bem como promover os meios necessários à importação de livros.

 

 

Seção das Bibliotecas Incumbida de incentivar a organização e auxiliar a manutenção de bibliotecas públicas em todo o território nacional. (Decreto do Ministro Gustavo Capanema). Era uma verdadeira revolução num país iletrado, marcado pela não leitura e pela pedagogia colonial obscurantista, comandada pela Igreja Católica. Também empenhada na qualificação dos trabalhadores brasileiros, visando a industrialização estruturante, a Era Vargas criou diversos instrumentos, um dos quais recebeu o jovem Luiz Inácio da Silva, levado pela mão de Dona Lindu, onde formou-se como Torneiro Mecânico, no Senai.

 

 

Sabotagens: a Contrarrevolução Paulista de 1932

 

 

As sabotagens não se fizeram esperar. Em 1932, apesar do governo Vargas já ter convocado a eleição de uma Assembleia Nacional Constituinte, as forças vinculadas aos grandes fazendeiros, ao clero atrasado e oligárquico, subordinados aos banqueiros da City de Londres, furibundos com o início de uma Auditoria da Dívida Pública Nacional, desataram a Contra Revolução de 1932, visando a retorno à Constituição do Império, levando o país a consumir-se em uma guerra civil por seis meses, vencida pelo Governo Provisório., para o que foi importantíssima a solidariedade da classe operária paulista que, incumbida da fabricação de munição para as tropas conservadoras, colocou areia nas granadas conservadoras, como relatado no livro A Revolução Inacabada, de Lutero Vargas.

 

 

Voz do Brasil, Música, Cinema e Teatro

 

 

O Instituto Nacional do Livro não nasceu sozinho, vem acompanhado do Instituto Nacional de Música, presidido pelo maior dos maestros das Américas, Villa Lobos, e também pelo Instituto Nacional do Cinema Educativo, sob a direção do notável intelectual Roquete Pinto e pelo pai do Cinema Brasileiro, Humberto Mauro. O Canto Orfeônico, dirigido por Villa Lobos, chegou a reunir, no Estádio do Vasco da Gama, um coral de 60 mil vozes, integrada também pela saudosa Dona Ivone Lara, que também presenciara as aulas de música na escola regular, um grande estímulo para a elevação estética e cultural de nossa juventude, cuja reedificação se faz necessária uma indispensável reeducação dos sentidos de nossa sociedade hoje, tão brutalizada por uma tv que cultua as armas, tiroteios, homicídios, e que tanto ofende os padrões elementares da civilização.

 

 

Voz do Brasil: primeira regulamentação informativa brasileira

 

 

Também no mesmo período, quando o Brasil se via ameaçado de ter que travar uma guerra com a Inglaterra, contrariada por terem os bancos ingleses sido alvo de uma legítima e soberana Auditoria da Dívida Externa, reduzida em mais de 60%, com contratos falsos cancelados, o que gerou uma sobra de recursos devidamente aplicada em programas sociais, então abundantes na Era Vargas, surge a Voz do Brasil, programa radiofônico mais antigo em todo o Hemisfério Sul, constituindo-se na primeira regulamentação informação brasileira. A regulamentação midiática compõe, hoje, uma das bandeiras do movimento de democratização da mídia, por enquanto sem sucesso. A Voz do Brasil nasce com o objetivo de fomentar a unidade nacional e a elevação da informação do povo brasileiro então sob ameaça da deflagração de uma guerra por parte da imperialista Inglaterra.

 

 

O discurso do grande ator Procópio Ferreira

 

 

A Historiadora Angélica Ricci, pesquisadora do Arquivo Nacional, registra o contexto do surgimento do Serviço Nacional do Teatro, na Era Vargas, relembrando que, em agosto de 1940 vários artistas se dirigiram ao Palácio do Catete para agradecer ao presidente Getúlio Vargas a atenção concedida ao teatro. Na ocasião, o ator e empresário Procópio Ferreira fez um discurso reconhecendo essa dívida:

 

 

“Se todas as classes que formam o organismo brasileiro, v. excia.. [sic], têm motivos os mais fortes para transformar a sua gratidão no mais intenso desejo, na mais irrecusável obrigação de colaborar na obra de salvação nacional que se processa sob a bandeira do Estado Novo, a classe teatral, mais do que todas, se sente no dever de colocar-se ao lado de v. excia. [sic] como soldados de vanguarda na intensa campanha que nos vai conduzindo, de vitória em vitória, ao lugar de honra que nos compete, como grande povo, na próxima hegemonia do Novo Continente“. Visando a estruturação do Serviço Nacional do Teatro, narra Ricci, uma Comissão de Teatro Nacional foi estabelecida em setembro de 1936, como um órgão de estudo sobre temas como a construção de teatros, a produção dramatúrgica, a formação de atores e o teatro infantil. Para seus trabalhos foram convocados artistas e intelectuais, como Olavo de Barros, Francisco Mignone, Benjamin Lima, Oduvaldo Vianna e Sérgio Buarque de Holanda (pai de Chico Buarque). Em pouco mais de um ano de existência, a comissão foi responsável por estudos, tradução e publicação de peças e obras sobre teatro, subvenções a companhias profissionais e grupos amadores e promoção de espetáculos de ópera e de dança, registra a historiadora.

 

 

Rádio Nacional, Rádio MEC, Rádio Mauá; Última Hora e ABI

 

 

Elis Regina confessou, numa entrevista, ter sido muito importante para que ela se tornasse cantora, ouvir diariamente, lá nos pampas, a Rádio Nacional do Rio de Janeiro. De fato, nacionalizada por Getúlio, a emissora chegou a ser a terceira mais potente em todo o mundo, emitindo em 3 idiomas, além do português, o que até poderia encorajar o Presidente Lula a tomar medidas mais estruturantes na área da comunicação pública, ao invés de investir recursos fabulosos na Rede Globo, fortalecendo sua linha editorial neoliberal desindustrializante. Com equipamentos doados pelo grande brasileiro Roquete Pinto, fundador da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, a primeira do Brasil, Getúlio Vargas cria a Rádio MEC, no ar até hoje, onde se pode escutar sensível depoimento do poeta Carlos Drummond de Andrade, que fora Chefe de Gabinete do Ministro Capanema, na Era Vargas, destacando a importância daquela decisão governamental para a educação e a cultura no Brasil. Mas, com a Radio Mauá, Getúlio foi mais longe, pois criou uma “Emissora dos trabalhadores”, seu bordão, com programação voltada para a elevação informativa da classe operária, especialmente em direitos trabalhistas, para o quê assegurou a presença de Sindicatos na direção da empresa; A inciativa varguista, contrasta e revela a timidez com que Lula3 atua na área da soberania informativo-cultural.

 

 

Finalmente, vale registrar a decisão de Getúlio de impulsionar o nascimento do Jornal Última Hora, a mais significativa escola de jornalismo popular, democrático e nacionalista que o Brasil registrou. Sem esquecer que a primeira regulamentação da profissão de jornalista é da lavra do Presidente Getúlio, que doou aos jornalistas e ao Rio de Janeiro, a sede da Associação Brasileira de Imprensa, um edifício de 11 andares, um dos mais modernos monumentos arquitetônicos junto com o Palácio Capanema, com a convicção de que poderia se transformar em efetiva alavanca para a consolidação da profissão de jornalista no Brasil.

 

 

Para concluir, deixo um convite aos leitores para que ouçam o samba “Dr Getúlio”, autoria de Chico Buarque e Edu Lobo, na voz da saudosa Dona Ivone Lara, que cantou sob a regência de Villa Lobos no Estádio do Vasco da Gama. Desfrutem:

 

 

 

 

Beto Almeida

(*) Por Beto Almeida, jornalista, diretor da TV Comunitária de Brasília, presidente do Jornal Brasil Popular e fundador da Telesur.

 

 

Artigo reproduzido do site da AEPET

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com