Publicidade

Aras pede ao STF abertura de inquérito para apurar se deputados participaram de ato pró golpe militar, mas desconsidera participação de Bolsonaro

  • em


O procurador-geral da República, Augusto Aras, solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta segunda-feira (20/4), a abertura de um inquérito para apurar fatos em tese delituosos envolvendo a organização de atos contra o regime da democracia participativa brasileira, por vários cidadãos, inclusive deputados federais, o que justifica a competência do STF.

 

A solicitação de Aras, no entanto, não cita o presidente Jair Bolsonaro, que participou ativamente do ato e que foi agraciado por várias faixas – todas iguais – pedindo que o presidente continue no poder após o desejado golpe de estado.

 

A investigação refere-se a atos realizados em todo o país, no domingo (19), em que participantes pediram o fechamento de instituições democráticas, como o Congresso Nacional e o STF. O inquérito visa apurar possível violação da Lei de Segurança Nacional (7.170/1983). O Artigo 17 estabelece que é crime “tentar mudar, com emprego de violência ou grave ameaça, a ordem, o regime vigente ou o Estado de Direito”. Uma das pautas de parte dos manifestantes era a reedição do AI-5, o ato institucional que endureceu o regime militar no país.

 

“O Estado brasileiro admite única ideologia que é a do regime da democracia participativa. Qualquer atentado à democracia afronta a Constituição e a Lei de Segurança Nacional”, afirmou o procurador-geral, Augusto Aras.

 

  • Compartilhe