Publicidade

Após um ano de protestos, agricultores são vitoriosos na Índia

  • em



Em uma grande reversão, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, anunciou que seu governo irá revogar as três leis agrícolas pró-capitalistas que levaram centenas de milhares de agricultores a protestar no ano passado. Isso marca uma grande derrota para o governo de Modi que, desde que assumiu o cargo em 2014, está em uma onda de privatizações em benefício dos capitalistas. Esta também é uma grande vitória para os agricultores que protestam nos portões de Nova Delhi contra as leis agrícolas desde que foram aprovadas, no tempo frio e durante a pandemia, recusando-se a recuar até que as leis sejam totalmente revogadas.

 

 

Aprovadas no Parlamento em setembro passado, as três leis, agora conhecidas como Leis Negras, foram diretamente voltadas para a corporativização da agricultura. Essas leis teriam minado o mercado regulado pelo estado, permitindo que os agricultores vendessem diretamente a compradores privados e firmassem contratos legais com as empresas antes da colheita. Eles também teriam permitido o armazenamento de grãos alimentícios até que os agricultores obtivessem preços melhores, o que é ilegal. Embora o governo Modi continue a pintar essas leis como reformas, na realidade, essas medidas só teriam deixado os agricultores, a maioria dos quais são pequenos camponeses ou sem terra, à mercê de grandes empresas que têm muito mais poder de barganha.

 

 

Sem essas leis, os agricultores vendem seus produtos a intermediários em mercados regulamentados pelo governo (mandis) a preços mínimos garantidos, conhecidos como Preço Mínimo de Apoio (MSP). Esses intermediários então vendem a produção para empresas estatais e privadas. Sob esse sistema, especialmente os pequenos camponeses não precisam se preocupar com os custos de entesourar e armazenar seus produtos, que podem ser bastante elevados.

 

 

As medidas para privatizar o sistema agrícola são um bom exemplo do programa de Modi: sob o pretexto de “revitalizar” as empresas do setor público, o governo de Modi explorou as fraquezas causadas por décadas de liberalização para levar a cabo medidas de privatização agressivas. De fato, em um discurso televisionado esta manhã anunciando a revelação, Modi continuou a pintar essas leis como progressistas e que eram voltadas para ajudar os agricultores. Nada poderia estar mais longe da verdade – longe de ajudar os fazendeiros, essas leis teriam apenas alavancado mais ainda as corporações.

Agricultores contra-atacam

 

 

Embora o setor agrícola responda por apenas 17% do PIB da Índia, ele emprega quase metade dos 1,3 bilhão de habitantes do país, a maioria dos quais vive ou aluga pequenos lotes de terra e está sobrecarregada de dívidas. Nos últimos anos, a baixa safra, devido às mudanças climáticas, os levaram à extrema pobreza e a dívidas ainda mais severas, levando muitos a tirarem suas próprias vidas. Durante anos, os agricultores pediram reformas, incluindo maiores MSPs e perdão incondicional da dívida.

 

 

Mesmo assim, diante desses apelos, o regime de Modi promoveu mais ataques – ataques contra os quais os agricultores lutaram com todas as suas forças. Há quase um ano, os agricultores protestam contra essas medidas, com milhares acampando nas fronteiras de Nova Delhi, a capital do país. No ano passado, em 26 de novembro, para coincidir com a chegada de centenas de milhares de agricultores à fronteira da cidade, os sindicatos convocaram uma greve geral nacional, na qual 250 milhões de trabalhadores e agricultores participaram e lutaram contra as dívidas trabalhistas e agrícolas de Modi.

 

 

Durante o ano passado, os fazendeiros que protestavam não se retiraram das ruas. Em janeiro, mais de 200.000 agricultores em tratores desceram a Delhi para interromper o desfile militar do Dia da República de Modi, muitos até mesmo se mudando para ocupar o histórico Forte Vermelho. Os agricultores também fecharam ferrovias, bloquearam rodovias e ocuparam centros industriais importantes. Nos protestos, 700 agricultores morreram, tanto por ferimentos sofridos por conta da violência e da brutalidade policial, como por suicídio. O regime de Modi tem sangue nas mãos.

 

 

No início do ano, curvando-se à pressão, a Suprema Corte indiana suspendeu as três leis. Em negociações com a Samyukt Kisan Morcha (SKM), uma aliança de sindicatos de agricultores, o governo Modi prometeu uma suspensão de 18 meses. Mesmo assim, os fazendeiros não desistiram, prometendo ficar nas ruas até que as leis fossem inequivocamente retiradas.

E agora?

 

 

Os protestos de agricultores foram um dos maiores golpes contra o regime de Modi, que se considerou firme em seus planos e se recusou a se curvar aos movimentos de massa. De fato, poucos protestos nos últimos sete anos conquistaram tanto apoio popular quanto o dos agricultores. Embora o regime de Modi tenha conseguido se fortalecer e aprovar suas draconianas e xenófobas leis de cidadania ou ataques à Caxemira, dividindo a opinião pública por meio de campanhas de desinformação e retratando os protestos e a defesa dos direitos democráticos como antinacionais, teve menos sucesso em implantar táticas semelhantes desta vez. Diante desses ataques, os protestos só ganharam mais apoio de todo o país por parte dos trabalhadores e movimentos sociais, com muitos saindo em solidariedade com aqueles que consideram alimentar o país.

 

 

Após o anúncio de revogação das leis, Modi implorou aos agricultores que voltassem para suas casas e acabassem com os protestos. Muitos especulam que essa revogação venha em antecipação às eleições estaduais no início do próximo ano, especialmente porque os agricultores constituem um dos maiores blocos eleitorais. Este ano, os agricultores levaram este protesto às eleições estaduais, ativamente fazendo campanha contra o Partido Bharatiya Janata (BJP) de Modi nas eleições para a assembleia estadual e desferindo um duro golpe em suas perspectivas eleitorais. Como os principais estados vão às urnas em apenas alguns meses – incluindo Punjab e Uttar Pradesh, que estiveram no centro dos protestos dos agricultores – a campanha contra as leis agrícolas seria um bom presságio para o BJP. O Partido espera usar essa revogação para virar a maré e se pintar como amigo dos fazendeiros, um partido atento ao seu povo, ouvindo e respondendo às suas demandas.

 

 

No entanto, os agricultores não mostraram ilusões no governo Modi até agora. Eles veem a revogação das leis apenas como sua vitória e continuam a ter uma profunda desconfiança no regime. Mesmo quando Modi implora para que voltem ao trabalho, eles deixam claro que ainda não vão cancelar o protesto. Em um comunicado divulgado logo depois, o SKM afirma que, embora receba bem a decisão, eles vão esperar até que as leis sejam oficialmente retiradas durante a sessão do Parlamento que começa em dezembro. Não vamos sair daqui até que os papéis da revogação tenham sido carimbados”, disse um dos manifestantes em um comício. “Modi pode estar jogando conosco, mas os agricultores não são tolos.” Na verdade, eles também declararam que a revogação das leis agrícolas foi apenas o começo – eles planejam continuar os protestos até que o governo garanta os preços dos produtos agrícolas para todos os agricultores.

 

 

Os protestos dos agricultores têm sido um grande exemplo não apenas na Índia, mas em todo o mundo, obtendo apoio de todos os cantos do mundo. Para continuar a luta contra os ataques aos direitos dos trabalhadores e camponeses, bem como contra as décadas de políticas neoliberais que agravaram as condições das massas indígenas, é fundamental retomar o caminho aberto pelas greves gerais do ano passado e golpear o coração da produção capitalista até vencerem.

 

 

Traduzido do original do jornal Left Voice




 

 

SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB
Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *