Publicidade

Após reunião com o Sinpro, GDF suspende retorno às aulas presenciais

  • em


O governador Ibaneis Rocha (MDB) acatou as observações do Sinpro-DF e suspendeu o cronograma com a programação de retorno das atividades escolares e aulas presenciais previsto para começar no dia 3 de agosto. A decisão de Ibaneis ocorreu durante reunião com o sindicato, na manhã desta quarta-feira (8), após a comissão de negociação apresentar argumentos e preocupações sobre a volta das aulas presenciais no pico da pandemia do novo coronavírus.

 

A comissão de negociação apresentou ponderações tanto relacionadas à pandemia da covid-19, que está crescente, ainda, no DF, e também as medidas necessárias que as escolas terão de cumprir para receber o retorno às aulas. Durante a reunião, a comissão ponderou que o momento do retorno presencial deverá ocorrer quando a pandemia estiver sob controle e todas as unidades escolares com as providências para cumprir os protocolos.

 

Além do governador Ibaneis e da comissão de negociação do Sinpro-DF, participaram da reunião o secretário de Educação, Leandro Cruz Fróes da Silva e a deputada distrital Arlete Sampaio (PT). As ponderações apresentadas pelo Sinpro-DF foram reforçadas pela deputada distrital Arlete Sampaio, que é médica sanitarista.

Desdobramentos – Um dos desdobramentos desse encaminhamento do governador será uma reunião da comissão de negociação do Sinpro-DF com o secretário de Estado da Educação, Leandro Cruz Fróes da Silva, para discutir outros pontos relacionados a esse encaminhamento.

 

O Sinpro-DF vem atuando perante o Governo do Distrito Federal (GDF) em agendas que tratam desses momentos em que o governo tem discutido retornos de forma que a escola pública do DF possa cumprir e seguir, ao máximo, os protocolos de segurança para a educação já adotados em países europeus, asiáticos e de outras regiões do mundo.

 

Só no Distrito Federal, segundo levantamento da Secretaria de Estado da Saúde (SES-DF) na semana passada, há mais de 3,2 mil casos de crianças e adolescentes testados positivo para o novo coronavírus. No DF, a doença também está em crescimento. No fim da manhã desta quarta-feira (8), havia 62.867 casos confirmados de contaminação, 789 óbitos e 173 novos casos registrados nas últimas 24h, segundo dados da SESDF.

 

O cenário da pandemia da covid-19 no Brasil e no DF é mais grave do que nos outros países que passaram pela crise sanitária, como foi mostrado nas reportagens realizadas pelo Sinpro-DF entre março e maio deste ano sobre o impacto da pandemia na educação em outros países.

 

Atuação do Sinpro-DF – Daí a importância da autoavaliação periódica do momento que o DF atravessa para não haver uma exposição desnecessária e até letal de estudantes, trabalhadores da educação e suas respectivas famílias. Importante destacar que pais, mães e responsáveis por estudantes têm se manifestado nas redes sociais do Sinpro-DF sobre esse retorno, dizendo que não é ainda o melhor momento para retorno das aulas presenciais e apoiando os professores e orientadores que têm ponderado sobre o tema na Internet.

 

Os professores e orientadores educacionais também têm se manifestado nas redes. Além disso, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e o Ministério Público do Trabalho (MPT) têm se expressado contra esse retorno e exigido que o Governo do Distrito Federal (GDF) apresente as condições sanitárias e adequadas para assegurar a volta às aulas presenciais.

 

O Sinpro-DF já realizou duas pesquisas de opinião sobre o tema da pandemia e volta às aulas em maio e, iniciou outra, nesta semana para saber “o que você acha sobre a volta às aulas em plena pandemia”. Clique aqui e acesse a nota da pesquisa. O sindicato também tem levado em consideração manifestações, recebidas, diariamente, nas redes sociais também de trabalhadores da educação da carreia de assistência, categoria que também está mobilizada para que não ocorra esse retorno em momento tão inoportuno.

 

Plano de saúde – O Sinpro-DF solicitou uma reunião com a presidência do Instituto de Assistência à Saúde do Servidor do DF (Inas-DF) para tratar dos procedimentos adotados, no momento, para levantamento de cadastro de intenção para adesão ao plano de saúde. Durante a reunião com o governador foi confirmada o encontro do Sinpro-DF com o Inas.

 

Iprev-DF – Durante a reunião, ficou a certado também que haveria uma reabertura de diálogos com o Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do DF (Iprev-DF) sobre a Previdência do funcionalismo do DF, uma vez que há fragilidades que precisam ser discutidas e corrigidas para que, no futuro, os(as) servidores(as) tenham, garantidos, os recursos financeiros necessários para suas aposentadorias sem a necessidade de intervenções no regramento ou mesmo em mudanças que possam onerar a remuneração.

  • Compartilhe