O  Instituto Butantan informou que o lote da vacina foi envasado em uma laboratório não autorizado pela agência e alertou que isso não afeta a eficácia e a segurança da vacina

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu, no sábado (4), o uso de 12 milhões de doses da vacina CoronaVac. Em ofício enviado, na sexta-feira (3), o Instituto Butantan informou à Anvisa que a “unidade fabril” responsável pelo envase de 25 lotes, totalizando pouco mais de 12 milhões de doses enviadas ao Brasil pelo Sinovac, “não foi inspecionada e não foi aprovada pela Anvisa”. Com isso, a agência resolveu suspender a aplicação das vacinas enviadas nestes lotes.

Em nota à imprensa, o diretor-presidente da Anvisa e o próprio Instituto Butantan informou que a medida cautelar “não deve causar alarmismo” e destacou que foi o próprio instituto que relatou o problema à agência, “por compromisso com a transparência e por extrema precaução”.

O Butantan ressaltou que as doses foram atestadas pelo controle de qualidade rigoroso do instituto. No documento enviado à Anvisa, o Butantan solicitou a autorização para utilizar em caráter excepcional as doses da vacina já distribuídas e outros 9 milhões de doses que ainda serão enviados ao Brasil. Também informou a equipe de Assuntos Regulatórios e de Qualidade do Butantan avaliou os documentos do envase na nova fábrica e entendeu que os resultados são satisfatórios quanto à segurança e qualidade da vacina.

Vacina segura

A CoronaVac é a vacina produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório Sinovac, da China, e teve sua eficácia novamente reconhecida. Na quinta-feira (2/9), um estudo realizado no Chile e apresentado por um conjunto de pesquisadores em artigo científico publicado no The New England Journal of Medicine, comprovou, mais uma vez, a eficácia da vacina chinesa.

O estudo concluiu que a proteção da vacina contra infecções é de 65,9%,de 87,5% para evitar hospitalizações, de 90,3% para impedir internações em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e de 86,3% contra mortes. A eficácia aferida pelo estudo se aplica também à população idosa.

Com isso, a medida cautelar adotada pela Anvisa para suspender o uso desses lotes no Brasil não tem caráter punitivo, e sim, são “medidas sanitárias para evitar a exposição ao consumo e uso de produtos irregulares ou sob suspeita”, assinalou a nota da Agência

Números da pandemia

O número de óbitos por causa da covid segue em queda. A semana epidemiológica, que se encerrou neste sábado (4), registrou 4.352 mortes, 449 a menos do que a semana anterior. Já o número de casos, ainda que permaneça alto, se manteve com tendência de queda. Foram computados, nesta semana, 149.259 casos. Estes são dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

Nas últimas 24h, o Conass registrou 692 óbitos e 21.804 casos. São Paulo, Minas Gerais e Paraná são os estados que lideram o número de mortes e contaminações por covid- no país.

Com informações do Brasil de Fato/G1/Jornal Nacional/Metrópoles