O ateliê da fotógrafa Zuleika de Souza, Plano Imaginário, criado para debate sobre a arte da fotografia e encontro de amigos e colegas, recebe neste sábado (21/8) André Duzek, das 15h às 20h, na W2 Sul, 504, bloco C. Ele estará com seu livro OURO BRUTO Serra Pelada em três tempos, em que relata por meio de imagens e textos os momentos em que visitou o maior garimpo a céu aberto do mundo. “Não se esqueça a máscara”, alerta o autor que integra o coletivo e conta que o espaço reabre depois da pandemia nesse novo endereço e com todos os protocolos de cuidados à saúde.

 

André diz que foi o acaso que o levou a passar dois dias para registrar o que eu nunca havia visto, ainda novato na profissão: “Ali estavam mais de 25 mil garimpeiros que, no início dos anos 80, vinham dos quatro cantos do país tentar a sorte de encontrar fortuna e fama em uma verdadeira corrida do ouro”, conta. Tinha na bolsa 100 fotogramas, em cinco filmes preto e branco. Voltaria ao local mais duas vezes, formando a coletânea que criou como produção independente. São 51 fotos em preto e branco e 30 coloridas, 136 páginas com textos em inglês e português.

 

As primeiras fotos tiveram grande repercussão no Correio Braziliense. Naquele momento, ainda em plena ditadura militar, o Brasil não conhecia Serra Pelada e menos ainda o que se passava naquele lugar. O material impactante foi replicado por veículos de imprensa nacional e internacional, como a revista francesa Photo Repórter.

 

Ele voltaria em 1996, pela IstoÉ. A ideia era cobrir o retorno frustrado do garimpo fechado em 1992. Novamente milhares de garimpeiros estavam lá, atraídos pelo boato de uma nova e imensa jazida. Mas, a história era outra: o ouro descoberto pela empresa Vale do Rio Doce, que tinha o direito de lavra na região, estava a 430 metros de profundidade e seria extraído por máquinas. O resultado foi o registro de revolta, miséria e desesperança.

 

Duzek também retornou em 2019, levando embaixo do braço as fotos de 1980. O repórter mostra como a vida no garimpo vai se reinventando a partir de historias fundadoras, materializadas que ele “devolve” aos sucessores dos personagens iniciais. Neste momento, os personagens fotografados na primeira incursão ao garimpo, tornam-se protagonistas e não apenas objetos das fotos.

 

O autor

 

André Dusek nasceu no Rio de Janeiro em 1956 e mudou-se para Brasília em 1975 onde fez sua vida profissional por mais de 40 anos. Formou-se em Jornalismo na Universidade de Brasília, UnB, em 1979 quando já fotografava para as Revistas Manchete e Fatos&Fotos. Cobriu a Assembleia Nacional Constituinte de 1987/88. Esteve em veículos como Correio Braziliense, O Estado de São Paulo, IstoÉ e presidiu a União dos Fotógrafos de Brasília. Hoje se dedica a projetos pessoais. Seu livro está a venda na Banca da Conceição SQS 308 ou por pedidos por seu e-mail (andredusek@gmail) e whatsapp (61 991145025)