Publicidade

América Latina expressa seu apoio ao povo e ao governo cubanos

  • em



O presidente cubano denunciou que as provocações dos pequenos grupos visam criar um cenário de caos na ilha

 

 

Colectivos, movimientos y organizaciones latinoamericanos expresaron desde este domingo y durante el lunes su respaldo al pueblo y Gobierno cubanos en respuesta a la campaña de desprestigio promovida por Estados Unidos contra la isla caribeña, tras los hechos de violencia que la víspera tuvieron lugar en varias poblaciones do país.

 

 

O secretário executivo do Acordo Comercial Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (ALBA-TCP), Sacha Llorenti, condenou as ações intervencionistas contra Havana promovidas desde Washington.

 

 

Sacha Llorenti também rejeitou as denúncias do Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, em apoio às ações desestabilizadoras registradas na ilha caribenha.

 

 

“As mãos de Luis Almagro, manchadas de golpes e sangue, tentam mais uma vez interferir nos assuntos cubanos”, advertiu Llorenti por meio de mensagem no Twitter.

 

 

Da Argentina, o Sindicato dos Trabalhadores da Imprensa de Buenos Aires (Utpba), condenou as ações promovidas pelos Estados Unidos para desestabilizar Cuba.

 

 

‘O Utpba está e estará como sempre com você e o heróico povo cubano além das palavras. Viva Cuba. Viva a Revolução ‘, dizia o texto, assinado pela secretária-geral do grupo, Lidia Fagale, e seu vice-secretário, Leandro Torres.

 

Acadêmicos, políticos e ativistas sociais colombianos expressaram sua solidariedade ao povo e ao governo cubanos, diante das manobras para tentar desestabilizar o país.

 

 

O presidente boliviano, Luis Arce, também expressou seu “total apoio ao povo cubano em sua luta contra as ações desestabilizadoras”, destacando que “quanto mais o governo cubano avança na saúde e na ciência, mais enfrenta a desinformação e o ataque estrangeiro”.

 

Acrescentou, da mesma forma, que “os problemas de Cuba devem ser resolvidos pelos cubanos, sem qualquer interferência, muito menos por aqueles que mantêm um bloqueio criminoso há 60 anos”, referindo-se aos Estados Unidos.

 

 

O presidente do partido Comunes, Rodrigo Londoño, expressou sua solidariedade a Cuba ante as agressões promovidas pelos Estados Unidos e seu criminoso bloqueio.

 

 

“Uno-me aos que defendem a soberania do povo cubano, sua revolução e seu projeto político. Exorto a unidade em defesa da pátria de Fidel e Martí. Cuba é dignidade. ‘

 

 

A ex-senadora e renomada ativista Piedad Córdoba juntou-se às manifestações de apoio e solidariedade a Cuba e ao governo de seu presidente, Miguel Díaz-Canel.

 

 

Enquanto isso, o governo nicaraguense denunciou e condenou por meio de mensagem a desestabilização e agressão permanentes contra seu homólogo em Cuba e acusa os Estados Unidos de ser o principal desestabilizador, ao mesmo tempo em que recordou que “não tem autoridade moral para dizer nada, quando justamente carrega tudo. a responsabilidade e a culpa por todos os crimes atrozes, crimes de ódio e crimes contra a humanidade que cometeram e continuam a cometer contra os povos do mundo.

 

 

De El Salvador, a Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN) rejeitou a campanha que visa gerar desestabilização em Cuba.

 

 

 

 

A formação de esquerda condenou em comunicado a manipulação da mídia para impor uma narrativa alheia à realidade cubana, sob os auspícios do imperialismo e da contra-revolução.

 

 

O Movimento de Amizade e Solidariedade Mútua Venezuela-Cuba e outras organizações repudiaram os atentados desestabilizadores contra a Revolução Cubana.

 

 

“Há poucas horas, oportunistas e arautos do caos, voltaram à cena da comunicação com uma suposta preocupação por Cuba e pedindo ajuda e liberdade. São as mesmas vozes sem eco no coração do nobre povo cubano, que há mais de 60 anos é vítima do bloqueio genocida imposto pelo império norte-americano ‘, afirma um comunicado do movimento.

 

O grupo de solidariedade, Movimento pela Integração e Emancipação dos Direitos Humanos do Sul, Associação Civil Vítimas de Caracazo e Terrorismo do Estado da Quarta República, também expressam que a principal ajuda de que Cuba necessita é o levantamento das medidas coercitivas e unilaterais essa tentativa sufoca as pessoas.

 

 

O Coordenador de Solidariedade com Cuba da Guatemala também rejeitou as tentativas de desestabilização da ilha caribenha e agradeceu a sua população a ajuda na área da saúde. Na opinião de seus membros, o bloqueio norte-americano imposto a Cuba há mais de 60 anos constitui um ato criminoso e genocida condenado pela comunidade internacional em mais de 27 ocasiões.

 

 

Junto com a Rede de Intelectuais e Artistas em Defesa da Humanidade, capítulo Guatemala, eles condenam a atitude de grupos financiados pelos Estados Unidos para acabar com a Revolução e agradecem ao Governo cubano por seu apoio com brigadas médicas em lugares intrincados da terra. Quetzal.

 

 

Por sua vez, o Movimento Nacional Amizade e Solidariedade Mútua Venezuela-Cuba, também denunciou a campanha de comunicação com fins desestabilizadores promovida pelos Estados Unidos contra a ilha, em meio à pandemia de Covid-19: “Queremos alertar os povos de ao mundo, que com o argumento da ajuda humanitária, se pretende implementar a velha estratégia do Cavalo de Tróia, a fim de aumentar a agressão contra o povo cubano ”, disse o comunicado.

 

 

Da TeleSur

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *