Publicidade

Alexandre de Moraes determina busca e apreensão para investigar fake News e é ameaçado por bolsonarista

  • em


O Ministro Alexandre de Moraes autorizou diversas diligências no âmbito do Inquérito 4781, cujo objeto é a investigação de notícias fraudulentas (fake news), falsas comunicações de crimes, denunciações caluniosas, ameaças e demais infrações revestidas de animus caluniandidiffamandi ou injuriandi, que atingem a honorabilidade e a segurança do Supremo Tribunal Federal e de seus membros; e a verificação da existência de esquemas de financiamento e divulgação em massa nas redes sociais, com o intuito de lesar ou expor a perigo de lesão a independência do Poder Judiciário e ao Estado de Direito.

 

As provas colhidas e os laudos técnicos apresentados no inquérito apontaram para a existência de uma associação criminosa dedicada à disseminação de notícias falsas, ataques ofensivos a diversas pessoas, às autoridades e às instituições, dentre elas o Supremo Tribunal Federal, com flagrante conteúdo de ódio, subversão da ordem e incentivo à quebra da normalidade institucional e democrática.

 

As investigações também apontaram que toda essa estrutura, aparentemente, estaria sendo financiada por empresários que, atuando de maneira velada, fornecem recursos das mais variadas formas para os integrantes dessa organização, inclusive impulsionando vídeos e materiais contendo ofensas e notícias falsas com o objetivo de desestabilizar as instituições democráticas e a independência dos poderes.

 

Da mesma maneira, relatórios técnicos constataram a existência de um mecanismo coordenado de criação, divulgação e disseminação de notícias ofensivas e fraudulentas por intermédio de publicações em redes sociais, atingindo um público diário de milhões de pessoas, de maneira a expor a perigo de lesão a independência dos poderes e o Estado de Direito.

 

Uma das investigadas, Sara Winter, que foi alvo de busca e apreensão e teve celulares e computadores apreendidos, nesta mesma data foi às redes sociais para ameaçar claramente o ministro Alexandre de Moraes. “Vamos descobrir os lugares que o senhor frequenta”, disse Sara, em vídeo dirigido a ele. E mais: ela disse que vai perseguir e “infernizar” a vida do ministro e chegou a afirmar que sentia vontade de “trocar soco” com Moraes. Sara é uma militante bolsonarista e uma das lideranças dos “300 do Brasil” – grupo chamado pelo Ministério Público de “milícia armada”.

 

Clique aqui para ler a íntegra de decisão (mandado de busca e apreensão)

  • Compartilhe