Continente registra mais de 202 mil mortes relacionadas à doença desde início da pandemia, apesar de queda drástica dos novos casos. África da Sul é país mais afetado, com São Tomé e Príncipe no outro extremo da escala

Desde o início da pandemia de covid-19, o continente africano teve 8.008.802 de casos de infeção. De acordo com dados oficiais divulgados neste sábado (11/09), a doença causou 202.534 óbitos, enquanto 7.280.838 pacientes se recuperaram.

Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), a África Meridional é a região mais afetada, com 3.791.542 casos e 105.533 óbitos associados à covid-19. Na região se localiza o país mais atingido pela pandemia no continente, a África do Sul, contando 2.848.925 casos e 84.608 mortes.

A África Oriental contabiliza 936.662 contágios e 19.553 óbitos, enquanto na África Ocidental os números são de 624.424 e 9.080, respectivamente. A África Central é a que tem menos casos de infeção (224.443) e mortes (3.231).

Norte e África portuguesa

O Norte de África, que sucede à África Meridional nos números de covid-19, computou 2.431.731 infectados e 65.137 mortes associadas à doença.

A Tunísia, segundo país africano com mais vítimas depois da África do Sul, registra 24.086 mortes e 681.664 infectados, seguindo-se o Egito, com 16.847 e 292.018, e o Marrocos, que contabiliza o segundo maior número de infecções em todo o continente, 899.581 casos, resultando em 13.436 óbitos.

Entre os mais afetados estão também a Argélia, com 5.544 óbitos e 199.588 infectados, o Quênia, com 4.896 mortes e 242.945 contágios e a Etiópia, com 4.884 e 321.787, respectivamente.

Dos países de língua oficial portuguesa, Moçambique teve 1.892 mortes e 148.901 infectados desde o início da pandemia, seguindo de Angola (1.322 óbitos e 49.943 casos), Cabo Verde (320 e 36.427), Guiné Equatorial (129 e 10.284), Guiné-Bissau (125 e 5.968) e São Tomé e Príncipe (39 e 2.787).

Novas infecções diminuem

Na quinta-feira, o diretor regional para a África da Organização Mundial da Saúde (OMS), Matshidiso Moeti, comunicou que o número de novos casos de covid-19 no continente caíra 23%, a maior queda em oito semanas, desde um pico em julho.

O primeiro caso africano de covid-19 foi detectado no Egito, em 14 de fevereiro de 2020, sendo a Nigéria o primeiro país da África subsaariana a registrar infecções, em 28 de fevereiro.

O novo coronavírus provocou pelo menos 4.602.565 mortes em todo o mundo, entre mais de 223 milhões de infecções confirmadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse, divulgado sexta-feira.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus Sars-CoV-2, identificado no fim de 2019 em Wuhan, no centro da China. Atualmente ele apresenta diversas variantes, de infecciosidade variada, primeiramente identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

DW com Lusa