Publicidade

A relação família e escola em tempos de Covid-19

  • em


A relação família e escola é sempre uma questão que suscita diferentes perspectivas, concepções e representações acerca dos papéis desempenhados por cada sujeito que faz parte do processo educativo. Algumas famílias já possuem o hábito de participar mais ativamente do universo escolar de seus filhos, outras já nem tanto, porém, devido a situação que estamos vivenciando, de isolamento social e com escolas fechadas, esse cenário trouxe questões importantes a serem refletidas por ambas as instituições.

 

Por um lado, temos as instituições sejam públicas ou privadas buscando alternativas para minimizar o impacto da ausência das aulas e atividades presenciais, cada uma delas com suas preocupações, mas tentando pesquisar ferramentas que possam envolver o maior número de alunos possíveis.

 

No âmago dessas instituições temos os professores, preocupados com a aprendizagem de seus alunos, alguns até com a própria manutenção de seus empregos. E pode-se perceber em depoimentos e desabafos nas redes sociais que esses profissionais, alguns com mais familiaridade com ferramentas tecnológicas, outros menos, estão passando por um momento delicado de redescoberta e de frustrações. Muitos estão se empenhando ao máximo para preparar as aulas, gravar seus vídeos, tentar criar um cenário, recursos e materiais que possam chamar à atenção de seus alunos, preocupados não só com o conteúdo, mas com a produção do vídeo, a iluminação, os ruídos ao seu redor que podem atrapalhar a gravação.

 

Nas propostas das atividades, ficam divididos, pois se colocam muitas, recebem reclamação dos pais, se deixam menos, são cobrados por estarem tratando a situação com superficialidade. Os vídeos não podem ser longos, principalmente para as crianças da educação infantil e dos anos iniciais do ensino fundamental, mas nem por isso não demandam bastante preparação para que sejam realizados. Ao se colocarem à disposição, muitos docentes relatam que pais os procuram nos grupos de WhatsApp com frequentes reclamações e cobranças.

 

Por outro lado, temos os pais, preocupados, alguns atarefados também com o teletrabalho, outros perdendo seus empregos e ainda os que não pararam de trabalhar e estão buscando alternativas para questão educacional de seus filhos. Alguns desabafos encontrados em redes sociais também demonstram uma sobrecarga, muitos pais dizem acompanhar os filhos, mas que as aulas pela TV ou vídeos não tem explicação clara, às vezes contém muita cópia de exercícios e pouco tempo para isso, e que estão sendo passadas muitas atividades que os alunos não conseguem realizar sozinhos e os pais não conseguem ajudá-los. Outros pais reclamam que são propostas atividades que demandam materiais recicláveis e que não são avisados previamente e na hora do vídeo precisam providenciar e improvisar gerando frustração neles e nas crianças.

 

E não menos importante, aliás como centro de todo o processo, as próprias crianças, e será que elas realmente têm sido consideradas? Seus sentimentos também estão sendo levados em consideração? Principalmente, as crianças menores que precisam, pelas etapas de seu desenvolvimento, de mais acompanhamento, afeto, devem estar sentindo falta das rodas de conversas com seus colegas e professores, das atividades em grupo, das explicações, dos jogos e momentos da rotina escolar e, nesse sentido, creio a questão central está nesse exercício do “olhar” para o outro.

 

Dessa forma, a partir do exercício do “olhar”, que os pais possam olhar para o professor e a instituição, e o professor e a escola para os pais, e ambos para as crianças, e nesse exercício de empatia, saibamos nos colocar no lugar uns dos outros.

 

Todos sabemos que perante nossa Constituição Federal de 1988 e nossa LDBEN nº 9394/96 a Educação é direito de todos e deve atuar em regime de colaboração entre Estado e família, ou seja, sempre ela deve ocorrer em parceria. E esse momento traz essa reflexão , vamos saber “ olhar”  e ouvir mais , baixar um pouco o nervosismo e a ansiedade para que todos os sujeitos pensem juntos em alternativas e encaminhamentos pedagógicos que possam ser viáveis às realidades e contextos específicos de cada instituição escolar e que tenhamos mais empatia e menos julgamentos, mais sugestões positivas que reclamações, pois o diálogo é sempre a melhor via para uma educação que almeja ser pautada no exercício da cidadania e como pontua nossa Lei de Diretrizes e Bases, que essa educação realmente possa ser inspirada nos “ princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana”.

 

Vanessa Queirós Alves é professora e tutora na Escola Superior de Educação do Uninter

 

  • Compartilhe