Publicidade

A recessão provocada

  • em



O indicadores da recessão que se aproxima já são mais do que muitos. Analistas de bancos, comentaristas económicos e noticiários dos media falam a respeito com frequência cada vez maior. Mas o que não dizem é que esta recessão está a ser provocada deliberadamente pelos donos do mundo.

 

 

É evidente que eles não dizem terem a intenção deliberada de provocar uma recessão. No entanto, em muito daquilo que dizem os representantes políticos da classe dominante mundial esta agenda acaba por transparecer – mas é preciso ler nas entrelinhas. Alguns exemplos:

 

 

    • Declarações recentes da secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, a dizer que uma redução da produção seria positiva para a economia. Isso não é uma previsão. É, sim, apontar do caminho que pretende seguir.

 

    • Os EUA obrigarem os seus vassalos europeus a tomarem medidas insanas que provocam ricochetes desastrosos e perfeitamente previsíveis: sanções à Rússia, boicote ao Nord Stream 2, penúria energética, estrangulamento da indústria europeia, apoio à guerra proxy na Ucrânia, etc. Tudo isso é claramente recessivo e não pode deixar de ser deliberado. Apesar de a comissária Ursula van der Leyen não ser uma pessoa brilhante, não haverá ninguém na Comissão Europeia (nem nos governos da UE) que não perceba as consequências desastrosas de tudo isto. Sim, eles percebem, mas cumprem uma agenda.

 

    • As sucessivas previsões em baixa do crescimento económico feitas pelo FMI.

 

    • As altas de taxas de juro determinadas pelo BCE que são uma medida mesmo adequada para agravar/iniciar recessões, sobretudo em economias alavancadas por dívidas.

 

  • Os pronunciamentos sistemáticos do Fórum Económico Mundial, bem como a sua longa pedagogia na preparação de dirigentes políticos de grande parte do mundo (Trudeau no Canadá, a primeira-ministra da Nova Zelândia, etc).

 

 

Para entender o que se passa realmente é preciso unir os pontos. Aí torna-se possível tirar uma conclusão de ordem geral de toda esta numerosa acumulação de indícios. Esta conclusão é que a agenda da classe dominante mundial, encabeçada pelo grande capital financeiro, é provocar uma recessão. Ela quer isso, mesmo sabendo de todo o cortejo de misérias que se seguiriam.

 

 

É evidente que um projeto de natureza tão monstruosa nunca poderá ser apresentado e muito menos explicitado em público. Assim, eles precisam disfarçar e apresentar tal agenda como algo inevitável. Uma das estratégias para isso é a naturalização dos fenómenos económicos. Trata-se de fazer com que a recessão provocada seja vista como um fenómeno natural, tais como furacões, tempestades ou vulcões – não como algo feito deliberadamente por agentes humanos.

 

 

Para isso atuam os seus agentes de RP, com a preciosa colaboração dos media amestrados. Eles esmeram-se em inventar eventos catastróficos ou apocalípticos que, ao mesmo tempo, servem para inspirar terror aos dominados e levá-los à submissão. Os exemplos são muitos, como o caso das célebres “alterações climáticas”, tão apregoados pela menina Greta, pelos media corporativos, por políticos locais e pela UE. Esta, por sua vez, transformou a coisa em missão sagrada, inventando a ideologia da descarbonização e da diabolização do CO2 (um gás não poluente e perfeitamente inofensivo).

 

 

É igualmente o caso da pandemia/fraudemia do Covid-19 promovida por Bill Gates & OMS & BigPharma. Eles não hesitaram sequer em inocular milhões de pessoas com terapias genéticas (as ditas “vacinas” mRNA) que continuam a provocar danos e mortes entre as suas vítimas. Uma reencenação desta fraudemia é o “alarme mundial” da “varíola do macaco”, lançado esta semana pela OMS.

 

 

Todo este conjunto de táticas diversionistas permite atribuir as consequências da presente crise geral e profunda do modo de produção capitalista – com os seus tumores da financiarização e do rentismo – a eventos aparentemente naturais.

 

 

Schumpeter falava da “destruição criadora” que age no capitalismo, ou seja, da destruição de empresas velhas ou obsoletas para dar lugar a novas e inovadoras. Ele, nos anos 30, via nisso uma manifestação da vitalidade do capitalismo então em depressão. Mas aquilo que agora se assiste tem uma motivação muito menos inocente. A agenda não confessada deles tem também uma componente exterminista: consideram que há população excedente no mundo e querem por cobro a isso. Experimentos como a inoculação de milhões de pessoas com terapias genéticas inserem-se nessa agenda. As investigações do Pentágono de armas biológicas, nos laboratórios militares em Fort Dedrick, na Ucrânia e em outros países, inserem-se igualmente nesta agenda exterminista.

 

 

Hoje o aparelho de Estado dos EUA está totalmente dominado pelos neocons. São eles que fazem a agenda. Contudo, estão desesperados pois vêm o declínio inexorável do império em todos os planos – desde o monetário até o da economia produtiva real, desde o tecnológico até o militar. No entanto, não se conformam e desejam prolongar indefinidamente um império que já entrou em decadência. Querem salvá-lo à custa do resto do mundo, inclusive dos que eram considerados “aliados” (arruinam a Europa neste momento).

 

 

Eles estão alinhados com o “Great Reset” (Grande reinicialização), promovido pelos que fazem conclaves em Davos e pelo Fórum Económico Mundial. Trata-se de uma tentativa de modificar radicalmente a correlação de forças e sobretudo a repartição do rendimento mundial. “Vocês não terão nada e serão felizes”, nas palavras inolvidáveis do sr. Schwab.

 

 

No entanto, por muita turbulência que possam provocar, os planos desesperados dos neocons e as tentativas de Great Reset não terão êxito. O mundo está a mudar num sentido multipolar. O imperialismo hoje está em posição de inferioridade no plano militar e a sua divisa está gradualmente a perder o papel de moeda de reserva no comércio mundial. O imperialismo está ferido de morte. Esperemos que, na sua insânia, não provoque uma catástrofe nuclear.

 

 

 

Este artigo encontra-se em resistir.info

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *