Publicidade

A eleição de Gabriel Boric e a questão ambiental

  • em



A vitória de Gabriel Boric nas eleições ocorridas no último domingo, no Chile, acendeu um alerta no mundo imperialista norte-americano. A expressiva votação em um candidato de esquerda, que apresentou ao eleitorado um leque de propostas nada conservadoras, soou como um aviso no “quintal” dos Estados Unidos, de que a América Latina pode estar se tornando “perigosa” para os interesses do continente norte-americano.

 

 

Na reta final do processo eleitoral, de olho nos votos de indecisos e dos de de pessoas mais ao centro, Boric usou como tática para a busca de votos, priorizar três temas de suma importância: a segurança, as demandas das “minorias” (mulheres, indígenas, quilombolas, povos e comunidades tradicionais) e a questão ambiental. Por mais de 55% dos votos válidos, Boric derrotou o candidato da extrema direita, abrindo caminho para promover mudanças na América Latina, especialmente no Brasil, onde, a 11 meses do processo eleitoral de 2022, o ex-presidente Lula lidera todas as pesquisas de intenção de votos.

 

 

Essa ventania de mudanças no continente Latino-americano teve início em 2020, com a eleição de Luíz Arce, na Bolívia, sendo seguida, pela Argentina, que escolheu o peronista Alberto Fernandez, companheiro de Lula, e se fortaleceu, agora, com a eleição de Boric, no Chile. Isso, sem contar com a resistência ao imperialismo segurada por Cuba e Venezuela.

 

 

Mas, o que a eleição de Gabriel Boric no Chile tem a ver com a questão ambiental para o Brasil? Em princípio, questões como a democracia no continente, as demandas sociais e populares, entre outras, por si sós, têm tudo a ver com o Chile e o Brasil. Porém, a questão ambiental, se torna central no atual debate. Da mesma forma que no Chile, Boric trouxe para o centro da sua campanha, a proteção ambiental, a descarbonização gradual como enfrentamento à crise climática, e o atendimento aos apelos dos povos indígenas e das minorias, no Brasil, estas questões estarão na agenda eleitoral de 2022.

 

 

Portanto, no Chile temos a junção de dois aspectos relevantes: a democracia – como um valor na solução de controvérsias societais – e o emergir da questão ambiental, tão decisiva para a vitória eleitoral do candidato da esquerda no Chile.

 

 

Mas a diferença do Chile para o Brasil, e a diferença para as demais democracias – que incomodam os Estados Unidos, especialmente, na questão ambiental -, são o tamanho do nosso país e os seus recursos naturais. Temos, a um só tempo, no nosso espaço, a maior floresta tropical do mundo, o quarto maior litoral e zona costeira mundial, e reivindicamos junto à ONU o aumento de quase 50% do território com o que denominamos de “Amazônia Azul”. Somos agraciados com 13% da água doce do planeta, e com o nióbio – um mineral estratégico – e possuímos ainda uma das maiores biodiversidades da Terra.

 

 

Desse modo, depreende-se que, a eleição de Gabriel Boric no Chile, tornou a questão ambiental cada vez mais fundamental na geopolítica mundial. A conclusão a que, penso, pode-se chegar, é a de que o tema socioambiental será objeto de extrema atenção e importância nas eleições presidenciais no Brasil em 2022, especialmente, a partir de março, com a publicação do segundo volume dos relatórios do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). Portanto, se as questões socioambientais serão centrais no Brasil em 2022, decerto o mundo todo ficará de olho nos debates e diálogos que ocorrerão durante o pleito eleitoral.

 

 

Como o Brasil não é para amadores, precisamos nos preparar para os debates e diálogos, que estarão na agenda eleitoral, pois sabemos, desde já, que muita coisa estará em jogo, inclusive, a eleição de Lula e das candidaturas “progressistas” de modo geral.

 

 

Não podemos perder de vista a possibilidade de o Brasil sofrer mais um golpe, desferido pelo imperialismo; desta feita, sem armas e sem tanques, apenas com a imposição aos candidatos, para que tenham mais flexibilidade com a rapinagem, a roubalheira e a corrupção – que envolvem os recursos ambientais que o Brasil possui.

 



 

(*) Por Rosalvo de Oliveira Junior, graduado em Ciências do Mar e em Engenharia Agronômica, mestre em Desenvolvimento Sustentável. 




 

 

SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

O Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞️ https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

  • Compartilhe

Um comentário

  1. É fato.Lembrando que a vitória das esquerdas na América Latina aponta a necessidade de atenção que será na mesma proporção das articulações deste imperialismo, que não descansa enquanto não distribuir todos os recursos para satisfazer suas ganâncias.
    Parabéns pelo texto Rosalvo

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *